You are currently viewing Thom Yorke fala sobre vindouro disco solo

Thom Yorke fala sobre vindouro disco solo

Radiohead também está preparando algo “muito legal” com Kid A

Por Luiz Athayde

Thom Yorke falou sobre seu “distópico” novo álbum solo para a revista Crack, dizendo que o álbum é influenciado por suas ansiedades e medos em relação aos eventos mundiais. Ele cita os shows ao vivo semi-improvisados ​​da Flying Lotus como inspiração para o LP ainda sem título, com lançamento previsto para a XL. “De repente, percebemos que esta é uma nova maneira de escrever coisas”, ele diz ao escritor Thomas Frost. “Eu enviaria [para o produtor Nigel Godrich] faixas completamente inacabadas e espalhafatosas, e ele se concentraria nos pedaços que achava que funcionariam, montá-los em amostras e loops e depois mandá-los de volta pra mim, onde eu começaria escrevendo vocais.”

Ele prossegue descrevendo uma viagem a Tóquio que o deixou “jet lagged” (descompesação causada por troca de fuso horário), depois do qual ele começou a ver “essas imagens [onde] humanos e ratos trocavam de lugar. Um sonho. E quando saí, acordei com esse conjunto realmente forte de imagens de garotas em saltos cambaleantes, mas na verdade são ratos e os seres humanos estão nos drenos. E tinha outra, essas imagens estranhas da cidade de Londres onde todos os arranha-céus estão apenas se arrastando ”. Ele acrescenta: “Por alguma razão, eu achei que uma maneira realmente boa de expressar a ansiedade de uma maneira criativa, era em um ambiente distópico”.

Thom Yorke

Ele também fala dos planos para o álbum Kid A: “Recentemente, encontrei este arquivo em caixa de todos os faxes que eu estava enviando e recebendo da Stanley [Donwood, artista visual] sobre a obra de arte e eles são hilários“, diz ele. “Eu tenho todas essas coisas, páginas, páginas e fotocópias, que acabei de deixar espalhadas pelos estúdios. Nigel os pegou e pensou: “É melhor guardarmos isso”. Eu estava tão concentrado e, ao mesmo tempo, irritado, confuso e paranóico. Eu estou olhando para todas essas pessoas envolvidas, ‘Quem diabos são essas pessoas?’ Nós vamos fazer algo muito legal com todo esse material”.

Pela primeira vez, ele também falou sobre suas primeiras composições clássicas, estreadas no início deste ano. “A coisa com Katia e Marielle Labèque”, ele disse, referindo-se aos pianistas que executaram a peça, é que “começou como uma brincadeira. Eles me diziam: “Você deveria escrever um pouco de música de piano para nós”, e eu estou tipo, “Hah hah, eu acho. Eu não consigo ler música ‘…. Foi o sentimento mais estranho, construir algo no laptop e entregá-lo a esses dois incríveis músicos. O trabalho foi baseado em algumas idéias de usar probabilidade e arpejadores, um estado mental muito eletrônico, e de repente eles estão tocando como se fosse uma peça de Schumann ou Ravel!

Por outro lado, ele fala sobre a adequação das exigências do Radiohead com o ativismo ambiental e a necessidade de uma mudança “fundamental” em nosso sistema político, que é “insustentável em um milhão de maneiras“.

Mas e chances de retorno da banda e vinda à América do Sul? Ao menos boas recordações ele tem:

Estamos com anos 50 agora, a maioria de nós, então essas coisas têm que parecer naturais, tudo tem que parecer certo. Nós não agendamos isso, isso e isso. Eu realmente sinto falta de fazer os shows. Eu senti que fizemos coisas realmente boas quando tocamos no Glastonbury e passamos pela América do Sul.”

Please follow and like us:
Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Deixe um comentário