Peter Murphy fala sobre criação do clássico Bela Lugosi’s Dead

“Gary Oldman disse ouviu Bela Legosi’s Dead todos os dias antes de entrar no clima.”, disse o cantor

Por Luiz Athayde

O vocalista e ícone do gótico Peter Murphy está celebrando 40 anos do seminal Bauhaus junto com o baixista David J., tocando o primeiro álbum In The Flat Field na íntegra – que inclusive passou pelo Brasil no ano passado. Na pausa da turnê, a Kerrang! Bateu um papo com ele sobre ter composto e gravado o que é discutida ser a maior música gótica de todos os tempos.

A música é uma óbvia homenagem ao ator húngaro-americano que interpretou Drácula na adaptação de 1931 do romance de Bram Stoker. Apesar de alto, sua aparência era fora dos padrões de beleza e consequentemente estava longe de ser a primeira escolha para o papel. No entanto, após filmar, seu personagem ficou tão marcado que ele teve dificuldades em conseguir papéis em outros filmes, o que acabou acarretando num vício de morfina e metadona.

Bela Lugosi foi enterrado com seu traje de Drácula, e a música, com um certo humor negro, conta esta trágica história hollywoodiana.

Ao ser relacionado com o ator por também ser uma figura dark, austera e estranhamente romântica, Peter Murphy responde:

“É muito brega e irônico, mas muito sério também. Bela Lugosi está morto! É lindo, não é? Bela Lugosi está morto! O personagem mais improvável – ele tinha um rosto redondo, ele não era muito atraente.”

Sobre a imensa vontade de Bela Lugosi pegar o papel:

“Certo, exatamente! Tudo isso. E mais tarde, aprendemos que ele foi enterrado em sua fantasia de Drácula! Não é tão brilhante? E toda a sua família veio a Los Angeles para me agradecer. Toda a sua família! Seu filho e suas netas, todos. E eu pensei, meu deus, não foi como um tributo! Quero dizer, foi. Mas é uma honra. E não estava dando muito trabalho ao Bela Legosi. Mas foi um uso inteligente!”

Se sente afinidade com personagens de personalidade severa, sombria e romântica como Drácula:

“Não, eu faço isso nessa música. Eu apavorava as pessoas no palco.”, revela. “Você tem que fazer isso. Somos influenciados pelo dub também, você sabe. Dub reggae [toca a batida de Bela Legosi’s Dead na mesa, seguida do baixo]. Algo está vindo. Que merda está vindo? Já passaram três minutos e nada aconteceu! Mas algo está vindo. É tão bonito. É como um canto gregoriano ou um pedaço de um hino sagrado. Ou algo de um espaço sagrado. Não realmente, mas você sabe o que quero dizer. Algo está vindo, então é muito dramático de repente. Você não sabe o que está vindo. O que é isso? Quem eles pensam que são? O que está acontecendo? As pessoas já estão ouvindo. Então boom. “Branco no branco capas pretas translúcidas…” Whoa! Quem é aquele? É ele. O personagem falando com você. Quem é ele? Ele é um narrador, não é? Mas é perfeito. Sou eu, mas você me vê e diz: “Foda-se!” Eu sei o que fazer. Tudo é muito intuído. Muito dub. E então aquele último pedaço, “Pobre Bela!” E eu bati nessa nota que é meio atonal. Eu não sei de onde veio. Eu acho que quando você toca uma nota às vezes, a garganta vai para uma nota harmônica ao invés de uma nota real que você está procurando. Então, há uma nota e depois há notas harmônicas em torno dela. E eu apenas segurei. Está esfriando! Então não estava tentando ser Drácula – estava evocando aquela linda letra. Nós conversamos sobre a sensualidade, a beleza e a atratividade da vida eterna. Drácula é muito sedutor. Então aquele [personagem] tinha que ser isso. Tão vivo, eu apenas entrei nisso. E enfraqueceu! Eu realmente sou meio defunto (risos).”, brinca Murphy.

David J. e Peter Murphy

E continua:

“Mas, você sabe, eu assustaria as pessoas. Eu ficaria assim. Eu gostaria de ver algo assim. Não gaste um milhão de dólares fazendo um filme de Drácula e editando-o para parecer assustador. Faça. Gary Oldman, que interpretou Drácula, disse que ouviu [Bela Legosi’s Dead] todos os dias antes de entrar no clima. E isso é apenas uma demo de 4 libras! A primeira música que o Bauhaus já gravou em um estúdio na minha cidade por 12 libras. Nós íamos gravar quatro músicas. Uma delas era Bela Legosi’s Dead, essa é a primeira que gravamos, e foi a primeira vez que estive em uma cabine com um microfone me ouvindo. E foi um take! Um take de voz. Isso vem – é mágico.”

Aproveitando a turnê, Peter Murphy lançou em seu site uma linha de produtos que incluem bolsas, camisetas e adesivos, além do Live in London em formato CD duplo, onde toca primeiro disco do Bauhaus mais clássicos da banda em. Link aqui.

Deixe um comentário