You are currently viewing V. Spy V. Spy: neste dia, em 1989, “Trash The Planet” era lançado

V. Spy V. Spy: neste dia, em 1989, “Trash The Planet” era lançado

Um dos grandes clássicos da escola australiana dos sons de praia

Por Luiz Athayde

Spy vs Spy, Spy v Spy ou V. Spy V. Spy? Não importa. O que interessa aqui é que neste dia, na classe de 89, os maiores representantes australianos dos sons de praia lançavam um de seus maiores clássicos: Trash The Planet.

v. Spy v. Spy em 1989

Gravado em novembro daquele ano no Manor House Studios, Inglaterra, a produção contou com a assinatura de Craig Leon. Seus trabalhos são mais conhecidos na esfera da música clássica, mas também por registrar seu nome em álbuns do Blondie, Ramones, 45 Grave, The Fall, Cowboy Junkies e lista interminável.

Dali saíram nada menos que 4 singles: “Hardtimes” (novembro, de 1989), “Clear Skies” (fevereiro de 1990), “Our House” (maio de 1990) e “Oceania” (outubro de 1990). Todas com direito a promoção videoclíptica, posteriormente incluídas no VHS oficial Spy File – Video Collection.

Sucedendo o provocativo  Xenophobia [Why?], lançado no ano anterior, Trash The Planet veio para manter a luz dos holofotes da banda bem acesa. Nada fora do normal de quem sempre teve como máxima compor letras contra as mais diversas injustiças sociais, inclusive vindas da Austrália. Vide a situação dos aborígenes. E neste caso, em prol da questão ambiental, como já diz o título – “Recicle o Planeta”, em português.

Capa do single ‘Hardtimes’ em Cassete (imagem: Discogs)

Já com uma carreira em consolidação Craig Bloxom (vocais, baixo), Mike Weiley (guitarras) e Cliff Grigg (bateria) alcançaram o 22º na parada australiana. No Brasil, o grupo seria conhecido como um dos criadores do Australian Surf Music (rótulo adquirido em terras brasileiras), graças ao sucesso que fizeram com a comunidade do surf. Midnight Oil, Hoodoo Gurus e tantos outros importantes nomes figuraram o pacote praiano.

No âmbito dos licenciamentos, a WEA soltou Trash The Planet em LP e CD na Europa, CD, Cassete e LP na Austrália, LP na Alemanha, além de um Test Pressing LP australiano. No Brasil, o disco só saiu em 2002 pela hoje extinta Tronador Music, com faixas bônus e fotos raras.

Ainda:

+ Falando em raridades, assim como toda a discografia, Trash The Planet não se encontra por menos que R$ 100,00 no mercado de colecionadores. Praticamente todos os itens são raríssimos.

Please follow and like us:
Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Deixe um comentário