The Gathering: neste dia, em 1998, “How to Measure a Planet?” era lançado

The Gathering: neste dia, em 1998, “How to Measure a Planet?” era lançado

Os holandeses não queriam ficar na zona de conforto do sucesso comercial

Por Luiz Athayde

Hoje, mais um registro do The Gathering  faz aniversário. Como uma formação que dispensa rótulos  – embora o “alternativo” seja a etiqueta mais viável –, eles foram muito além em seu quinto álbum de estúdio, How to Measure a Planet?, carimbado pela Century Media em 1998.

The Gatherning em 1998 (Foto: Jack Tilmanns)

Com gravações divididas entre os estúdios Bauwhaus em Amsterdã e Wisseloord em Hilversum; e masterização no lendário Abbey Road Studios em Londres, entre julho e outubro daquele ano; o disco marcou nova virada de sonoridade na carreira do grupo, então solidamente composto pela carismática vocalista Anneke van Giesbergen, o tecladista Frank Boeijen, o baixista Hugo Prinsen Geerlings e os irmãos Hans e René Rutten; bateria e guitarra respectivamente .

Dado o enorme sucesso na esfera metálica com os álbuns Mandylion (1995) e Nighttimes Birds (1997), a banda se encontrava em uma espécie de armadilha configurada nas expectativas dos fãs para seguirem aquela linha. Naquele mesmo período, o guitarrista Jelmer Wiersma segue outro rumo e daí surge a necessidade de um novo direcionamento musical; registros como OK Computer, do Radiohead e Mezzanine, do Massive Attack, foram inspirações latentes no The Gathering da classe de 1998. Além de, como quase sempre, Slowdive e Dead Can Dance sendo o salvo conduto para experimentações, em parte, assinadas pelo produtor Attie Bauw.

A temática girou em torno de viagens espaciais, devidamente ilustradas na capa e no encarte do formato físico. “Liberty Bell” foi a faixa escolhida para single e videoclipe, exibido na MTV europeia, e também figurando compilações em VHS como o quarto volume da série Beauty in Darkness (1998).

Capa do CD Single ‘Liberty Bell’

Como era de se esperar, entre os metaleiros, a recepção não foi nada calorosa, fazendo a banda perder uma parte de seus fãs. Por outro lado, a simbiose entre shoegaze e trip hop serviu para angariar novos ouvintes e abrir os olhos da crítica, que teceu elogios ao trabalho dos holandeses. Como resultado, considerando que eles vieram do death metal, rolaram boas posições nas paradas de vendas; vide a holandesa (45º lugar) e alemã (99ª posição).

How to Measure a Planet? saiu em CD duplo, vinil duplo e cassete simples. No Brasil, o disco compacto chegou via Rock Brigade Records/Laser Company, também em 2xCD; e em 2021 a Shinigami Records chancelou uma reedição no mesmo formato, mas em cópias limitadas.

Deixe um comentário