Depeche Mode: neste dia em 1987 “Music for the Masses” era lançado

A partir daí, ninguém segurava os ingleses de Essex

Por Luiz Athayde

Há 32 anos um dos maiores clássicos do Depeche Mode e do synthpop saía do forno via Mute Records. Até ganhar vida neste dia em 1987, Music for the Masses foi gravado nos estúdios Guillaume (Paris) e Konk (Londres) entre fevereiro e julho daquele ano, e a produção contou com as assinaturas de Daniel Miller, David Bascombe (Tears for Fears, Peter Gabriel) e da própria banda, em especial o multi-instrumentista Alan Wilder, responsável por lapidar as canções compostas, em sua esmagadora maioria por Martin Gore.

Depeche Mode em 1987

Por um lado, era a continuação natural de Black Celebration, por outro, um enorme passo a uma era que se estenderia até os dias de hoje, pela adição de guitarras pela primeira vez em um registro, endossando o fascínio de Gore por blues e rock. Mas foi também ali que o uso de drogas iria decolar; cortesia do massivo sucesso que o grupo foi acumulando ao longo dos anos.

Das 10 faixas, 4 ganharam singles de peso: “Strangelove” (13/04/1987), “Never Let Me Down Again” (24/081987), “Behind the Wheel” (28/12/1987) e “Little 15” (16/05/1988). Todas tocaram até dizer chega nas rádios mundiais, mas “Strangelove” era uma das faixas de destaque das incontáveis festinhas pelo Brasil. Uma parcela das cópias encontradas no mercado de colecionadores possuem o carimbo “promocional” junto com o “cópia invendável”.

Como é de prache no grupo, a arte teria que ser algo inovador, ao menos dentro de sua própria esfera. O megafone (e símbolo icônico da banda) foi ideia de Martin, e ao contrário do que muitos imaginam, se trata exatamente o contrário do que diz o nome do disco (“Música para as Massas”).

A capa foi desenhada por Martyn Atkins. Ironicamente, foi nesse período que a imprensa musical, ou parte dela, finalmente se rendeu a estes ingleses. O New Music Express disse que Gore estava obssessivamente em seu melhor no álbum, enquanto a Q Magazine se referiu a Music for the Masses como “reais joias de diamante no meio da escuridão”.

Capa do 7 polegadas do single ‘Strangelove’ (Imagem: Discogs)

Nas paradas de vendas, primeiríssimo lugar na Espanha, medalha de prata na Alemanha; 4º na Suiça e Suécia; 7º mais vendido na França e na Finlândia; 10º lugar no Reino Unido e posição número 35 no top 200 da Billboard ianque; para citar alguns. E mais: Disco de Prata no Reino Unido, Disco de Ouro na Alemanha, Platina na França (400 mil cópias) e nos Estados Unidos (1 milhão de cópias).

Nos licenciamentos, mais um capítulo da série documental do grupo, “Depeche Mode 87-88 (Sometimes You Do Need Some New Jokes)” presente na reedição remasterizada de 2006, incluindo áudio em 5.1; além dos lados B de singles como faixas bônus.

No Brasil Music for the Masses saiu em 1987 em LP e Cassete, já em CD somente em 1990, todos pela Mute, com dois relançamentos posteriores em 1996 e 1997, esse último pela hoje extinta Paradoxx Music.

A contribuição de sexto álbum do Depeche Mode para a música teve efeito poucos anos depois, com uma infinidade de grupos synthpop surgindo mundo afora e Europa adentro (em especial na Alemanha, segunda casa dos ingleses), além de muitos nomes alternativos que fizeram sucesso na década de 90, que citam a trupe de Martin Gore como uma grande influência.

Deixe uma resposta