808 State: neste dia em 1991 “ex:el” era lançado

Seminais da Acid House surpreenderam ao flertar com o hip-hop e o industrial

Por Luiz Athayde

Falar de acid house é falar de Manchester, e mencionar o epicentro dos clubes noturnos britânicos é, também, ratificar o 808 State; grupo diretamente responsável pela mudança nos sons de pista; além de servir de trilha para incontáveis viagens de sintéticos.

O músico e produtor Graham Massey e cia vinham de um melódico e bem-sucedido álbum, 90, do grande hit “Pacific 202”, lançado em 1989, e agora era a vez de adicionar novas influências na sua já conhecida sonoridade; hip hop, industrial com ex:el, em 1991.

Na verdade, fizeram melhor, contaram com as participações mais que ilustres de Bernard Sumner (Joy Division, New Order) em “Spanish Heart”, e Björk, ainda no The Sugarcubes, cantando nas faixas “Qmart” e “Ooops”.

808 State e Björk (Foto: Reprodução/Derek Ridgers)

O registro foi gravado entre os meses de setembro e outubro de 1990 no Revolution Studios e teve produção assinada pela própria banda, embora tenham contado com Michael Hass como engenheiro de som.

Já a masterização é creditada a Aaron Chabraverty (ou Arun Chakraverty), conhecido por trabalhar com tantos nomes que daria um belo catálogo aqui. Alguns: Lou Reed, The Sisters of Mercy, Siouxsie & The Banshees, Roxy Music, Elton John, Rod Stewart, The Jam, Bauhaus, Simple Minds, Tygers Of Pan Tang, Madness, Soft Cell

O terceiro álbum dos caras é considerado o primeiro grande lançamento a apresentar uma palinha do filme A Fantástica Fábrica de Chocolate   (Willy Wonka & the Chocolate Factory), de 1971, a frase “we are music makers”, sendo um dos vocais sampleados mais comuns do cenário eletrônico, e também um disco pioneiro no âmbito eletrônico de orientação pop a trazer convidados da esfera alternativa para estrelar seus singles.

A recepção por parte do público se monstrou nas pistas cheias, incluindo o lendário clube The Haçienda, do saudoso Tony Wilson, e na mídia especializada, que não economizou nas notas altas, como a Q Magazine   (4/5), AllMusic   (4/5) e a Record Mirror   (8/10).

Além dos já tradicionais licenciamentos pela Europa, América do Norte e Japão, ex:el   também saiu no Brasil, mas somente em 2002 pelo carimbo Sum Records, trazendo as 13 faixas em CD.

Em 2008 o mesmo foi reeditado em versão CD deluxe duplo e remasterizado por Graham Massey, contendo, no disco 2, 10 remixes e faixas não lançadas, selecionadas por Massey e Ian Peel.

Deixe um comentário