The Stooges: neste dia em 1969 o autointitulado álbum de estreia era lançado

The Stooges: neste dia em 1969 o autointitulado álbum de estreia era lançado

Do punk ao heavy metal, álbum definiu novos paradigmas dentro do jovem gênero musical chamado ‘Rock and Roll’

Por Luiz Athayde

Há mais de 50 anos um dos álbuns “norte” de muitas bandas era lançado. Intitulado apenas The Stooges, o disco de estreia desta falange de Ann Arbor, Michigan é um dos principais itens da árvore genealógica do rock – embora sua influência tenha ultrapassado essa barreira ao longo dos anos.

Composto pelos irmãos Asheton – Ron, guitarras e Scott na bateria – mais Dave Alexander (baixo) e sua figura máxima, o “padrinho do punk” Iggy Pop, o grupo já tinha contrato assinado com a Elektra, e inicialmente, o álbum foi produzido por John Cale (The Velvet Underground), mas logo foi descartado devido a desaprovação da mixagem por parte dos músicos e também pela gravadora. Em seu lugar, o próprio dono da Elektra assumiu o posto, assinando a produção e a mixagem. Algumas músicas, já conhecidas pelo público, foram gravadas, como “No Fun”,  “I Wanna Be Your Dog”, “1969”, “Ann” e “We Will Fall” e seria somente isso, até a gravadora dizer que não havia quantidade suficiente para compor um álbum.

The Stooges

Em nota no relançamento de 2005 do disco, Iggy Pop disse:

“Entregamos (a versão com cinco músicas do álbum) e eles recusaram. Eles disseram, ‘Não há músicas suficientes!’ Então, nós mentimos, eu disse: ‘Tudo bem, temos muito mais músicas.”

Daí entraram: “Little Doll”, “Not Right” e “Real Cool Time”.

No tempo que esteve ativo, o The Stooges não foi uma banda campeã de vendas, especialmente em sua era de ouro. Seu legado seria construído somente anos depois do álbum deste álbum, que até hoje é um norte para bandas que vão do punk – que inclusive se tornariam referências dentro do estilo, como Ramones, The Clash, Sex Pistols, The Damned etc… –, passando pelo heavy metal com, por exemplo, a “Slayerana” versão “I’m Gonna Be Your God”, e até mesmo o pós-punk e o gótico; faixas como “Ann” e “We Will Fall” que o digam.

Tendo o tempo ao seu lado, o óbvio: notas altíssimas nos principais veículos musicais (físicos e digitais com Spin, AllMusic, Pitchfork Media, Rolling Stone, Spin e outros. “Eles não soavam parecido com ninguém quando seu álbum alcançou as ruas em 1969”, disse Mark Deming para o All Music.

Ainda: como mencionado acima, The Stooges ganhou um relançamento em 2005, dessa vez em parceria entre os carimbos Elektra e a Rhino Records – especialista em reedições caprichadas, diga-se – em CD duplo com a versão remasterizada do álbum no disco 1 e takes alternativos no disco 2. Em 2010, nova edição; no dia 7 de maio daquele ano, o disco saiu pela série “Handmade” da Rhino Records com uma edição de colecionador incluindo dois CDs, um vinil 7 polegadas e um belo livreto.

Mas a grande novidade deste repress são as versões mixadas por John Cale, outrora negadas. Já no compacto consta uma versão inédita de “Asthma Attack”; cadeira cativa nos shows da banda na época.

No Brasil The Stooges saiu em 1980 pela WEA Discos e é um item raríssimo de se encontrar.

Este post tem um comentário

Deixe um comentário