You are currently viewing Ride – This Is Not A Safe Place

Ride – This Is Not A Safe Place

Mais soltos, banda de Oxford mostrou que seguro mesmo é continuar navegando nas águas do shoegaze que lhe deu norte

Por Luiz Athayde

Dois anos depois de seu triunfante retorno discográfico com Weather Diaries, os shoegazers ingleses do Ride enfim, lançam seu mais novo álbum This Is Not A Safe Place. É verdade que alguns aperitivos (singles) foram postos na mesa bons meses antes; “Future Love” com sua aura sessentista, e a indietronica mas não menos nostálgica “Repetition”.

Ride (Foto: Divulgação)

Quem presenciou a estreia dos britânicos em solo brasileiro no último mês de abril na nona edição do Balaclava Fest em São Paulo também pôde conferir “Kill Switch”, uma faixa completamente diferente das anteriores. E assim segue o 6º álbum dos hoje senhores, mas com o mesmo espírito jovial que lançou os clássicos Nowhere (1990) e Going Blank Again (1992). A abertura “refrigerada” com “R.I.D.E.” já denota o tipo de viagem que o ouvinte terá, inclusive por caminhos mais melódicos como “Clouds of Saint Marie”.

Os anos de hibernação também não alteraram certas métricas no grupo. Lenta e contemplativa, “Eternal Recurrence” é aquela faixa que poderia listar nos seus melhores EPs iniciais, já “Fifteen Minutes” mostra o atual estado das coisas do mercado indie: os anos 1990 estão definitivamente de volta; bateria reta, guitarra janglin’ e baixo distorcido na hora de puxar o carro para a estrada.

“Jump Jet” traz, de uma certa maneira, o grupo de volta para 2019, mas com seu estilo característico de grudar melodias na mente do ouvinte. Em “Dial Up” o grupo arrisca um folk com adição de sintetizadores, causando um efeito muito interessante, mesmo sem perder a aura pop. Outro ponto forte são as vozes dos guitarristas Mark Gardener e Andy Bell, que praticamente não sofreram mudanças com a idade.

Fim de jogo, mas não de disco; a atmosférica “End Game” lembra, curiosamente algumas falanges que eles mesmos influenciaram, como os obscuríssimos Skywave e Alcian Blue e até mesmo seus contemporâneos Swervedriver. “Shadow Behind the Sun” mergulha fundo no pop com suas nuances acústicas, fechando o disco navegando nas águas do progressivo com sua longa embarcação dreampop em “In This Room”.

Mais soltos e com um olhar mais tranquilo de cima, esta falange do shoegaze formada por Mark Gardener (vocais/guitarras), o ex-Oasis/Beady Eye Andy Bell (guitarras/vocais), o entusiasta por música eletrônica Steve Queralt (baixo) e Laurence Colbert (drums) mostra em This Is Not A Safe Place uma nítida evolução em seu próprio trabalho, e isso não significa necessariamente criar um novo estilo ou usar e abusar de experimentos que muitas vezes não trocam ideia com mais de meia dúzia de afoitos por música “fora da caixa”. Aqui o grupo parece ter se preocupado apenas em ratificar a fórmula que alavancou sua carreira, mas, acima de tudo, fazer o que sempre souberam: um shoegaze guiado pelas baixas temperaturas dos ventos dreampop, e ainda, sutilmente, reverenciando o jangle pop que se fazia nos anos 60.

Envolto a inevitáveis expectativas, o Ride trouxe não somente um grande álbum para sua prateleira sônica, mas facilmente um dos mais empolgantes da classe de 2019. Candidato a clássico, e bem distante do perdido.

Ouça This Is Not A Safe Place:

Please follow and like us:
Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Deixe um comentário