Prodigy: evidências de suicídio de Keith Flint são insuficientes, diz legista

O cantor, de 49 anos, foi encontrado morto em sua casa no dia 4 de março

Por Luiz Athayde

O vocalista do Prodigy Keith Flint morreu enforcado e tinha quantidades indeterminadas de cocaína, álcool e codeína em seu sistema, segundo inquérito.

Ele tinha 49 anos e foi encontrado morto em sua casa no vilarejo de North End, em Essex, Inglaterra, no dia 4 de março.

Na última audiência de quarta-feira em Chelmsford, a medida legista Linda Carter disse que Keith foi encontrado enforcado em sua casa por um amigo.

A médica-legista sênior de Essex, Caroline Beasley-Murray, registrou uma conclusão aberta, acrescentando: “Nós nunca saberemos o que estava acontecendo em sua mente naquela data”.

Keith Flint

Segundo ela, a família de Flint e o empresário da banda se encontravam na audência, mas não queriam comparecer. A audiência foi realizada na ausência deles, sem testemunhas.

A polícia compareceu à casa do cantor e descobriu que não havia circunstâncias suspeitas e nem envolvimento de terceiros, disse Beasley-Murray.

Ao explicar sua conclusão, ela disse: “Eu considerei suicídio. Para registrar isso, eu teria que ter descoberto que, no equilíbrio das probabilidades, o Sr. Flint formou a ideia e tomou uma ação deliberada sabendo que isso resultaria em sua morte.

Tendo em conta todas as circunstâncias, não vejo evidências suficientes para isso.

Ela também encontrou evidências insuficientes para concluir que a morte de Flint foi um acidente, onde ele pode ter “se envolvido e tudo deu errado”.

Vou concluir uma conclusão aberta”, disse ela. “Nós nunca saberemos o que estava acontecendo em sua mente naquela data e é por isso que vou registrar uma conclusão aberta.

Ele claramente extremamente popular. Ele foi muito amado por tantos fãs. É muito comovente ver isso e, claro, estou ciente do serviço funerário que foi realizado em Bocking.”

Ela pediu ao legista para expressar compaixão do tribunal para sua família e o empresário da banda.

Fãs viajaram de lugares tão distantes quanto a Austrália para se reunir na igreja de St. Mary em Bocking, Essex para o funeral de Flint no dia 29 de março, com bandeiras de festival e flores empilhadas no adro da igreja, incluindo um dos logos de formiga da banda.

Flint alcançou fama nos anos 1990 ao ganhar o Brit Awards como melhor banda eletrônica, e por hits como Firestarter e Breathe. Eles lançaram seu último álbum, No Tourists, em novembro passado, seu sétimo ‘número 1’ consecutivo nas paradas. Seus companheiros de banda Liam e Maxim o descreveram como “um verdadeiro pioneiro, inovador e lendário” num declaração. Eles disseram que ele era seu “irmão e melhor amigo” e “que sentirão saudades para sempre”.

Deixe um comentário