You are currently viewing Candidato americano quer ser o 1º presidente “Ex-Gótico” eleito

Candidato americano quer ser o 1º presidente “Ex-Gótico” eleito

Em entrevista para o Jezebel, o democrata Andrew Yang revelou o que gosta de ouvir e mais

Por Luiz Athayde

Que o mundo político sempre foi um palanque para loucos (para não adjetivar mais), isso é notório. Nos Estados Unidos então… De atores a esportistas, figuras curiosas no poder nunca foi algo novo. Mas gótico, é a primeira vez. Ou, melhor: “ex-gótico”. Além de ainda fã de dark, o candidato a presidência do país mais poderoso do mundo em 2020 Andrew Yang também possui uma agenda que visa o melhor dos dois mundos; desde a idade de voto reduzida para 16 e o apoio ao Médicina Sem Fronteiras até a legalização da maconha.

Mas é especialmente sobre música, aqui com foco na sua “formação” gótica que o democrata de 44 anos e também ex-advogado e fundador de uma organização sem fins lucrativos para ajudar recém-formados a se tornarem startups, mais falou em recente entrevista exclusiva para o blog feminista Jezebel.

Jezebel: Algumas semanas atrás, você twittou uma foto sua adolescente balançando uma capa de chuva. Você disse que suas bandas favoritas eram The Smiths e The Cure. Poderia você ser o primeiro presidente ex-gótico da América?

Andrew Yang: Sim, eu posso ser, isso é verdade. Me lembro distintamente de entrar na escola na oitava série e um amigo, Dan Miller, estava todo gótico, todo de preto. Me lembro de ver isto e dizer: ‘Uau, isso é uma grande transformação durante o verão’. Então, Dan teve um impacto real no meu gosto musical e acabamos indo a muitos desses shows juntos. Então, eu diria que, se eu vencer em 2020, eu seria o primeiro presidente ex-gótico.

Quero dizer, você viu as fotos, acho que seria uma questão de discernimento se eu me qualificasse.


Jezebel: Eu vi outro tweet que dizia que seu primeiro show foi o Depeche Mode.

Andrew Yang: Sim, 1990

Jezebel: Alguns puristas podem discordar, mas isso se qualifica em meu livro [da autora da página]. Você estava mais para o pós-punk, rock alternativo inglês, rock gótico? Qual era seu lance principal?

Andrew Yang: Foi interessante porque, com o passar dos anos, havia o que eu pensava ser os ícones da música alternativa. Para mim, foram The Cure, The Smiths e Depeche Mode. O U2 também de alguma maneira estava lá quando chegaram com Joshua Tree. REM. Eu gostava de Siouxsie and the Banshees, eu gostava de The Sugarcubes.

Andrew Yang no Twitter: “Bem, parece que a minha foto do último ano está prestes a fazer a notícia em uma reportagem sobre candidatos quando éramos jovens. Compartilhando aqui para que vocês possam ver como eu era em 1992. Bandas favoritas: The Smiths e The Cure.”

Jezebel: New Order?

Andrew Yang: Sim, eu realmente gosto de New Order e Joy Division, claro. Eles estão no topo. Erasure também. Então, para mim, foi o arco original. E então, nos anos 90, tornou-se mais Nirvana, Alice in Chains e Soundgarden.

Jezebel: Mais do som de Seattle.

Andrew Yang: Sim, o grunge da turma de Seattle, que eu também gostei muito. O Nine Inch Nails também estava nessa época. Eu fui nos três primeiros Lollapaloozas.


Jezebel: Você pode ser o primeiro presidente que já esteve em um mosh ou surfando na multidão.

Andrew Yang: Tentei surfar em um dos meus últimos eventos porque havia milhares de pessoas lá e a emoção era muito alta. O que eu fiz foi fingir que eu ia surfar na praia, mas não.

Um dos meus funcionários veio: ‘Você tem que fazer isso.’ E eu fiquei tipo ‘Oh, eu vou fazer isso em algum momento’ porque eu me lembro de fazer isso quando era adolescente. Provavelmente não é uma ideia tão boa fazer isso agora.
 Francamente, se você é um garoto magro de 18 anos, se jogar na multidão não é tão ruim.


Eu uso muito terno e já estive em vários ambientes profissionais e de negócios, mas um dos meus amigos da infância que eu frequentei nesses shows me disse: ‘Você é a pessoa mais punk rock que eu conheço’. Ele disse porque minha carreira tem sido tentar fazer as coisas que eu acredito acontecerem. Isso significou muito para mim, porque, obviamente, se você olhar para mim, eu não pareço mais um punk.

Jezebel: Eu acho que você e Beto [O’Rourke, skatista] terão que ter uma competição de punk ou poser.

Andrew Yang: Eu vou dizer uma coisa que eu estaria interessado em fazer: alguma remada com o Beto porque eu também andava de skate.

Se Beto estiver aberto, estou aberto a isso.

Jezebel: Falando de anos de adolescência e influências formativas, o que em sua criação moldou você e sua política?

Andrew Yang: Minha família era apolítica. Não me lembro dos meus pais discutindo política ou votação. Eles são imigrantes, então isso não é incomum. Como eu penso sobre isso, eu não acho que a maioria dos meus amigos crescendo como adolescentes falou sobre a nossa política também.

Quando fui para a escola preparatória em New Hampshire e depois para a faculdade na Nova Inglaterra, acho que desenvolvi uma afinidade maior por acompanhar a política. A reeleição de Bill Clinton foi minha primeira experiência de votação. Eu era muito jovem em 1992.

Jezebel: Para terminar, qual música dos Smiths você usaria como tema oficial da sua campanha se Morrissey e Johnny Marr aprovassem?

Andrew Yang: Com certeza “How Soon is Now?”

Entrevista completa em inglês no Jezebel.

Please follow and like us:
Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Deixe um comentário