You are currently viewing Britânicos do Lensmen estreiam álbum experimental com a faixa  “Techno Pets”
Foto: Divulgação/Press

Britânicos do Lensmen estreiam álbum experimental com a faixa “Techno Pets”

Velha escola do pós-punk, new wave e pastos abandonados

Por Luiz Athayde

Os experimentalistas britânicos do Lensmen acabaram de lançar seu álbum de estreia, intitulado Somewhere Somewhere. Isso depois de um pequeno hiato sem músicas inéditas.

E para promover o registro, o grupo formado por Alun Hughes (voz), Daniel Fisher (teclados, synths), Gavin McClafferty (guitarra, baixo) e Jason Wilkinson (bateria) – além de Simon Edwards no moog em uma das faixas – compartilhou a “Techno Pets”.

Em um mote spoken word sob um pano de fundo atmosférico e tribal, Hughes entoa seu poema que na verdade integra uma seleta iniciada ainda no período de confinamento em função da pandemia do Covid-19.

“Em 2019, em resposta à emergência climática e à minha decisão de estudar o mestrado em Escrita Criativa na Bath Spa University, comecei a ouvir uma área de terras agrícolas abandonadas perto de minha casa chamada The Heavens”, começa o autor. “Este é o lugar que deu a inspiração que se formou em um grupo de poemas que me rendeu um mestrado com distinção em 2020. Recebi um prêmio no Troubadour International Poetry Prize 2021 por The Course to Naming a Brook que aparece em Somewhere Somewhere”, acrescenta.

A seleção final de poemas de Hughes compõe sua coleção de panfletos intitulada Down the Heavens, que foi publicada pela Yew Tree Press em julho de 2022. E alguns também foram selecionados para o Prêmio Laurie Lee de Redação. Ele comenta mais sobre o critério dado para a escolha do que iria ou não fazer parte do disco:

“Minha escolha pelos poemas que aparecem em Somewhere Somewhere representam os temas fundamentais do panfleto e aqueles que continuam a me inspirar. Do lado tecnoconsumista do estado apocalíptico do ecossistema, da nossa relação com a terra que nos prende ao que a terra me exigiu cantar dela e dos tempos que vivemos, estes nove poemas são a minha oferenda a um álbum que, espero sinceramente que ajude a refletir sobre os problemas e ofereça algo para um equilíbrio pró-criativo com nossa casa. ”

Quem comenta a parte técnica de todo o processo é o baterista Jason Wilkinson: “Limitações são uma coisa boa. Eles auxiliam os processos criativos, desbloqueiam sinapses e comandam um conjunto diferente de disciplinas”, diz antes de dar mais detalhes.

“Entendemos que, para experimentar esse novo formato narrativo, precisaríamos do luxo de um tempo de estúdio sem fim, juntamente com o controle criativo sobre as partes gravadas e as estruturas finais, que foram todas informadas por Al’s formas poéticas, estrofes e métrica. A única opção viável era seguir o caminho assustadoramente incerto para financiar e construir um estúdio e gravar tudo sozinhos.”

Jason continua: “Desde o início decidimos usar o computador tanto como ferramenta de escrita quanto como instrumento próprio, experimentando sons, distorções e alturas. A ideia era não ser prescritiva, mas servir a faixa e, para esse fim, nomeamos Gav como nosso diretor musical, para ser o barômetro criativo, para ajudar a cortar a gordura da autoindulgência. Usando várias técnicas de Sylvia Massy, ​​gravamos de várias maneiras inovadoras. ”

Somewhere Somewhere leva assinatura do grupo da produção traz mixagem assinada pelo premiado do Grammy Shawn Josep. E o resultado, ou melhor, a experiêcia pode ser sentida abaixo:

Deixe um comentário