Brexit na música: artistas estrangeiros irão precisar de visto e uma boa quantidade de libras para tocar no Reino Unido

Medida começa a valer a partir de janeiro de 2021

Por Luiz Athayde

A saída do Reino Unido da União Europeia já reverberou no âmbito musical. A partir de janeiro de 2021, qualquer  músico fora daquele perímetro irão precisar de visto para atuarem.

Por enquanto, artistas europeus de qualquer esfera, assim como suas equipes podem circular sem restrições pelo Reino Unido e vice-versa. Entretanto, quando as novas regras entrarem em vigor, o artistas oriundo de países da União Europeia e do restante do globo irão deverão solicitar um visto de nível 5; o mesmo vale para competições, audições, palestras e afins.

Além da solicitação, os músicos terão que, 90 dias antes, provar que têm pelo menos 1000 libras (hoje quase 6 mil reais) para poderem circular por lá.

Em reação imediata, a diretora executiva da Socieddade Incorporada de Músicos Deborah Annetts disse estar “profundamente decepcionada” por cessarem a livre circulação de músicos e outros artistas de países da União Europeia.

“Pedimos ao governo do Reino Unido que reconsiderasse nosso pedido de um visto multivisto de dois anos”, disse ela ao Politico. “Qualquer futuro sistema de imigração não existe isoladamente e tem enormes implicações para a negociação de acordos comerciais da União Europeia e Estados Unidos e acordos recíprocos. É vital que qualquer sistema de imigração apóie músicos que irão precisar fazer turnê na União Europeia após o Brexit.”

O visto terá um custo médio de 242 libras (aproximadamente 1400 reais) e, ainda segundo a imprensa britânica, as regras não devem valer para músicos do Reino Unido que irão atuar na União Europeia.

Deixe um comentário