Alan McGee sobre cinebiografia da Creation Records: “Está literalmente terminando esta semana”

Filme conta com a equipe do clássico Trainspotting

Por Luiz Athayde

Agora vai. A cinebiografia da cultuadíssima gravadora Creation Records está nos prepares finais. Ao menos é o que revelou a mente mestre do selo Alan McGee em recente entrevista exclusiva para a New Music Express.

“Está literalmente terminando esta semana. Eles estão apenas tentando descobrir como liberá-lo. Eu quero que eles lancem online. Pela Netflix, Amazon Prime ou Sky, porque quem vai ao cinema agora? Eles devem esquecer um lançamento no cinema, ninguém vai. O filme parece ótimo, acho que vai ser muito bom.”

O longa irá contar com a direção de Nick Moran – de ‘Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes’ (1998), ‘Telstar: A História de Joe Meek’ (2008), ‘Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1’ (2010), ‘The Kid’ (2010), etc – e a equipe de peso que assinou o icônico filme Trainspotting; Danny Boyle como produtor executivo, e Irvine Welsh e Dean Cavanagh assinando o roteiro.

McGee será interpretado por Ewen Bremner (conhecido como Spud, em Trainspotting), e o elenco também inclui nomes, como Thomas Turgoose (This Is England), Rupert Everett (O Casamento do Meu Melhor Amigo), Suki Waterhouse (Amores Canibais) e Jason Fleming (Snatch – Porcos e Diamantes).

A história da Creation Records se confunde com a linha do tempo da música indie britânica. Fundada por McGee juntamente com Dick Green e Joe Foster em 1983, o selo foi uma máquina de lançar bandas influentes no cenário alternativo, como The Jesus and Mary Chain, Primal Scream, Oasis, Teenage Fanclub, Super Furry Animals, Swervedriver, Ride, Slowdive e nomes a perder de vista.

Dois documentários retratam a história da gravadora: Alan McGee: Alan McGee: O Homem Que Descobriu Oasis, para a BBC em 1998, e Upside Down: The Creation Records Story, de 2010; esse último com uma riqueza de detalhes, envolvendo desde o espírito coletivo entre as bandas e claro, as loucuras narcóticas que permearam sua existência.

Deixe um comentário