Você Precisa Ouvir: Brandon Flowers – The Desired Effect (2015)

Prato de peão para quem viveu os anos 1980, mesmo quando criança

Por Luiz Athayde

E lá vamos nós mais uma vez indicar discos sônicos dos anos 2000. Também, pudera: é tanta coisa que sai a todo momento que a facilidade da informação não impede de deixar passar batido vários registros legais. Ou mais que legais, como o segundo e último álbum do músico norte-americano Brandon Flowers.

Brandon Flowers

A fim de se dar um descanso nas entressafras dos discos de sua banda principal, o vocalista do The Killers se enfiou nos estúdios Battle Born (Las Vegas), Vox Recording Studios e Heavy Studios (ambos em Los Angeles) nos anos de 2014 e 2015 para dar continuidade ao seu excepcional álbum de estreia Flamingo. Lançado em 2010, o disco discorre livremente em uma atmosfera de filmes dos anos 70, em especial as comédias dramáticas. Soa nostálgico, mesmo para quem não viveu aquele período.

The Desired Effect soa como sua extensão natural, inclusive cronologicamente. Envolto a um gostoso clima de “Sessão da Tarde” (quem viveu os anos 1980 e 1990 irá entender melhor), como se fosse uma grande trilha de filmes do saudoso cineasta John Hughes – alguns filmes: Gatinhas e Gatões (1984), Clube dos Cinco (1985) e Curtindo a Vida Adoidado (1986), para citar o ouro.  

A faixa de abertura, “Dreams Come True”, curiosamente lembram canções de Bruce SpringsteenBorn in the USA É a Sessão da Tarde em si –, mas o ponto alto foi a releitura, para “Smalltown Boy”, hit máximo do ato inglês Bronski Beat, transformada em “I Can’t Change”, deixando a música mais anos 80 que a própria década de 80! Cortesia da aptidão do artista em saber lançar mão da tecnologia para tal finalidade, algo não tão comum no atual cenário da música pop.

E o interessante deste álbum é a capacidade de causar um efeito que não se limita a nostalgia dos quase 40 (e adiante) de plantão, mas, apesar de todo esse papo de velho acima, fazer você ouvir como um disco da classe de 2015.

Anos luz de ser injusto com o The Killers, mas só o tempo dirá se algum álbum irá passar no teste e ganhar status de clássico – embora alguns sites já deem esse título para seu inspirado álbum de estreia Hot Fuzz, de 2004 –, já o vôo solo de Flowers não deve sofrer grandes turbulências, porque volta e meia os anos 1980 são revisitados. Mas você não precisa esperar a próxima onda oitentista aparecer, você precisa ouvir The Desired Effect.

Ouça o álbum completo via Spotify.

Deixe um comentário