Skinny Puppy: neste dia em 1990 “Too Dark Park” era lançado

O desfecho dos anos 1980 iria originar um dos maiores espasmos no grupo canadense de Vancouver

Por Luiz Athayde

Se rótulos convencionais já não se aplicavam em sua gênese, não seria àquela altura do campeonato que em 30 de outubro de 1990, os canadenses do Skinny Puppy iriam se render ao corrosivo mercado sônico da superfície.

Too Dark Park marca o sexto registro do trio formado por cEvin Key, Nivek Ogre e o saudoso aDuck, também conhecido como Dwayne Goettel. Foi dividido em dois estúdios (Mushroom e Little Mountain Sound Studios) e contou com produção assinada por Dave Ogilvie – algumas credenciais:  KMFDM, Tool, Nine Inch Nails, Ministry, David Bowie, Spineshank, Mötley Crüe.

Goettel, Ogre e Key: Skinny Puppy em 1990

Com um currículo desses, o resultado do sucessor do excelente Rabies, de 1989 não poderia ser melhor, como contou Goettel à Alternative Press na época.

“Todos nós gostamos, e eu posso ver a preocupação nos olhos das pessoas, mas isso não nos preocupa. Nós fizemos e gostamos, e não estou preocupado em fazer outro igual, sabe?”, e ainda revelou que Rabies era o seu álbum predileto da discografia.

Too Dark Park foi o resultado de um recente background que incluiu uma série de envolvimentos em projetos paralelos dos integrantes, como Ogre, que saiu em turnê com o Ministry tocando teclado, emprestando seus dotes vocais e claro, usando muitas drogas; além de participar do Revolting Cocks (projeto paralelo com membros da banda de Al Jourgensen).

Já Key e Goettel incluem projetos como o Hilt, Doubting Thomas e Cyberaktif; este último contando com o ex-Skinny Puppy e atual Front Line Assembly Bill Leeb.

Voltando ao álbum, dois singles saíram do parque demasiadamente escuro dos canadenses: “Tormentor” e “Spasmolytic”, que ganhou um video para lá de psicodélico.

Capa do CD Single de “Spasmolytic”

A receptividade de Too Dark Park foi boa, com direito a veículos como a Spin dizendo ser o “retorno ao banho de sangue” do grupo. O Tampa Bay Times descreveu o álbum como “momento divisor de águas” da banda, enquanto que o Tampa Tribune  chamou o disco de “chute ambiental”.

Ainda:

+ Lançamentos nos EUA, Canadá, Reino Unido e Europa em CD, LP e Cassete via carimbos Nettwerk e Capital Records.

+ Reedição em 1996, 1998, 2001 e 2010 por Nettwerk e Capitol Records; pirata russo via Music For The People em ano desconhecido.

+ Em 2018 a Metal Hammer listou ‘Too Dark Park’ entre os 10 melhores álbuns industriais de todos os tempos.

+ Alguns samples: “Morpheus Laughing” (do filme Carne para Frankenstein, de Paul Morrissey, 1973), “Shore Lined Poison” (do filme Viagem ao Mundo da Alunicação, de Roger Corman, 1967) e “Nature’s Revenge” (do filme ‘Estranhos Visitantes’, de Philippe Mora, 1989).

Deixe uma resposta