The Smiths: neste dia em 1985 “Meat Is Murder” era lançado

The Smiths: neste dia em 1985 “Meat Is Murder” era lançado

Segundo álbum da banda de Manchester veio ainda mais político que seu antecessor

Por Luiz Athayde

Os anos passam e alguns álbuns se mantém tão relevantes quanto na época em que foram lançados. No caso do segundo registro discográfico do The Smiths, tal relevância é ainda maior 35 anos depois; vide a quantidade imensurável de bandas influenciadas por essa falange… ou melhor, linha de frente do indie rock de Manchester.

Gravado no Amazon Studios, Liverpool e no Ridge Farm Studio, em Surrey, Meat Is Murder teve produção assinada pela própria banda, com assistência do engenheiro de som Stephen Street.

The Smiths (foto: Terence Spencer)

Embora o disco tenha chegado apenas um ano depois que o autointitulado álbum de estreia, o salto político foi pra lá de considerável. A capa traz a imagem, reproduzida quatro vezes, de um soldado durante a guerra do Vietnã, extraída do documentário In the Year of the Pig (1968), de Emili Antonio. Nos dizeres, “Carne é Assassinato”. Originalmente o título seria “Faça Guerra não Amor”.

Ainda no âmbito lírico, mais violência; escolar (“The Headmaster Ritual”), doméstica (“Barbarism Begins at Home”) e nas feiras de diversão (“Rusholme Ruffians”), mas a principal certamente seria – e é até hoje abordada pelo vocalista, Morrissey, vegano radical – a dos animais, como explícita faixa título do álbum.

Aquele foi também o período em que Morrissey deu vazão à sua personalidade controversa, soltando declarações como: “Pode-se ter uma grande preocupação com o povo da Etiópia, mas outra coisa é infligir tortura diária ao povo da Inglaterra”, ao ser perguntado sobre o Band Aid; sem contar os constantes ataques à administração de Margaret Thatcher – algo bem comum entre bandas britânicas da época.

Dois singles saíram dali: a já citada “Barbarism…” e “That Joke Isn’t Funny Anymore”, lançados em abril e julho daquele ano. Ainda teve “How Soon is Now?”, música conhecida da compilação Hatful of Hollow, de 1984.

A receptividade também não foi nada, nada mal, com direito a boas notas em veículos como Sounds, The Village Voice e Q Magazine, girando entre 3.5/5 e 4/5. Já nas paradas: 29ª posição no Top 100 europeu, 27º na Suécia, 13º lugar na Nova Zelândia e primeiríssimo no Reino Unido. Na Billboard ianque o álbum figurou o número 110.

Como legado, o óbvio: posição número 295 nos 500 Grandes Álbuns de Todos os Tempos, pela Rolling Stone, em 2003 (296 na lista revisada em 2012) e presença no conhecido 1001 Álbuns que Você Precisa Ouvir Antes de Morrer; cortesia também da cozinha avassaladora comandada por Johnny Marr.

Meat Is Murder teve lançamento mundial via carimbo clássico Rough Trade. No Brasil o registro só saiu em LP, e em 1986.

Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Deixe uma resposta

Fechar Menu