Warcollapse – Bound to Die [EP]

Warcollapse – Bound to Die [EP]

Formação sueca traz o sucessor de ‘Deserts of Ash’, de 2019

Por Luiz Athayde

In crust we trust! Sim, nós acreditamos no crust punk, e, se vindo da Suécia, aí que as margens de erro são praticamente nulas. A rapaziada do Warcollapse veio mostrar mostrar mais uma vez que essa máxima se faz atual, mesmo com seu novo e pequenino EP de 4 faixas Bound to Die.

Warcollapse (Foto: Divulgação)

Correligionários e contemporâneos de nomes como Disfear, Avskum e Skitsystem, a banda formada na classe de 1992 na cidade de Västervik acabou de apresentar o sucessor de outro play estendido, Deserts of Ash, editado em 2019 pelos carimbos Insane Society Records, ByeBye Productions e Phobia Records. Mas de disco cheio mesmo, o último foi o pesadíssimo Defy!, em 2007.

Aqui a veia é tão clássica quanto obrigatória; sem frescuras, efeitos ou nuances que remetem a outros estilos. É crust de viés d-beat  (batida criada pelos seminais ingleses do Discharge) com bons toques de rock and roll no melhor (e único) estilo Motörhead, mas com vocais do líder Jalle Karlsson soando tão podres quanto o atual status quo político – e quando foi diferente?


“Manipulerad” abre os trabalhos já pegando o ouvinte pelos ouvidos e também pelo pescoço; rápida, rasteira, brutal. Estilão sueco. A faixa-título soa como uma espécie de ‘upgrade’ de qualquer música dos também suecos e old school Dischange.

E por falar em rock, “Skin One Up” é aquela faixa que poderá agradar e muito quando eles retomarem os palcos. Por outro lado, como manda a cartilha da desesperança e do pessimismo do estilo, “Hate and Disdain” jorra toda a ira de um grupo que, apesar de oriundo do primeiro mundo, traz questões que vão além do alto Índice de Desenvolvimento Humano – por sinal, o daquele país configura o 9º maior do planeta.

Em resumo, não há o que comentar de um subgênero do punk e, por não ter pertencido a nenhuma moda, sobreviveu a todas as tendências, bem ali no subterrâneo, fazendo muito barulho como sempre. Indicado fortemente para quem passa longe de dar as mãos em uma ciranda de características virtuais.

Ouça Bound to Die completo no Spotify.

Deixe um comentário