Você Precisa Ouvir: Kollaa Kestää ‎– Jäähyväiset Aseille (1979)

Você Precisa Ouvir: Kollaa Kestää ‎– Jäähyväiset Aseille (1979)

Degelo necessário de um dos discos finlandeses mais legais daquela safra

Por Luiz Athayde

Terve! Olá, do bom finlandês. Eis mais um fóssil , agora diretamente das margens do Rio Kollaa, palco de uma das batalhas durante a Guerra de Inverno finlandesa contra a União Soviética entre 1939 e 1940. Se trata do slogan Kollaa Resiste, ou melhor, a brigada Kollaa Kestää.

Kollaa Kestää (Foto: Reprodução)

E essa resistência nada tem a ver com ódio, inclusive na parte musical; longe de Kaaos, Riistetyt ou Terveet Kädet, mas Ramones, Buzzcocks, The Stranglers e toda aquela turma inglesa que inundou os anos 70.

Formada em 1976, desde sempre a proposta já era calcada na zona entre o punk rock e a new wave, tendo Jyrki Siukonen (bateria, voz), Juha Helminen (guitarra), Kai Kivi (voz, guitarra e teclados) e Erkki Huhtamo (baixo) na formação. Em 1978 gravam o primeiro single, “Musti, Sotakoira” (curiosamente com Esko Hirvonen creditado nas quatro cordas), seguido por “Kolla Kostaa”, já com Mikko Nevalainen ocupando o posto de baixista. Em 1979 soltam “Kirjoituksia Kellarista”, todos via carimbo local Poko Records.

Só daí os caras conseguiram traçar um panorama de sua sonoridade; punk sim, mas com nuances que não cabiam somente neste formato. O próximo passo era o disco cheio. Então, naquele mesmo ano, a banda inicia conversas com o pessoal da gravadora, a fim de editar o debut por outro selo, e partem para a Johanna Records.

Jäähyväiset Aseille  (“Adeus às armas”) sai do forno com som melhor, produção idem, e com a mesma pegada. O registro abre com um cover. “Syksy” (“Outono”, em finlandês) é a releitura deles para “Shot By Both Sides” do Magazine. Outro homenageado é o Hawkwind, com a versão de “Urban Guerilla”, aqui batizada de “Kaupunkisissi”.

Mas logo vem a primeira autoral. “Känissä aamulla” soa realmente como um (na tradução) ‘bêbado pela manhã’, dada as suas influências ‘lá e cá’; entre a agressividade e o apelo pop. Não à toa, os saxofonistas Jukka Mikkola e Lora Logic usam e abusam do instrumentos no decorrer do disco. E já aviso: o resultado é sensacional.

Dentre as prediletas da casa, está “Päivä Tavaratalossa” (“Um dia na loja de departamentos”) pela sua pegada 77, embora também haja espaço para as mais melódicas – e onde está o diferencial –, como a faixa-título , ou a supostamente irreverente “Mun Huoneeni”; uma ode a um dos cantos prediletos dos solitários. “Meu quarto minha cabeça / e eles sempre me dizem para limpar / Meu quarto minha vida / e eles tentam me dispensar.”

Sem mais enrolações, você precisa ouvir Jäähyväiset Aseille para deixar seu setlist tão equilibrado quanto um festival envolvendo correntes, alfinetes e jaquetas de couro, e ternos, sapatos e gel no cabelo. Sem mencionar, e já o fazendo, que Kollaa Kestää é um dos nomes mais influentes do punk no perímetro finlandês.

Kollaa Info:

+ Jyrki Siukonen trabalhou como jornalista na Hilse, uma revista voltada para o punk e a new wave. 

+ Além de uma indicação, este é um tributo a dois saudosos ex-integrantes: o vocalista/guitarrista Kai Kivi em 2007, aos 48 anos, e o guitarrista Juha Helminen em 2013.

Ouça o álbum completo na playlist do Youtube. Singles e EPs podem ser conferidos no Spotify.

Deixe um comentário