V. Spy V. Spy: neste dia em 1989 “Trash The Planet”era lançado

30 anos de um dos grandes clássicos da escola australiana dos sons de praia

Por Luiz Athayde

Spy vs Spy, Spy v Spy ou V.Spy V.Spy? Não importa. O que interessa aqui é que neste dia na classe de 89 os maiores representantes dos sons de praia australianos lançavam um de seus maiores clássicos: Trash The Planet.

Cliff Grigg, Craig Bloxom e Mike Weiley: Spy vs Spy em 1989

Gravado em novembro daquele ano no Manor House Studios, na Inglaterra, a produção contou com a assinatura de Craig Leon, conhecido por seus trabalhos na esfera da música clássica e também por registrar seu nome em álbuns do Blondie, Ramones, 45 Grave, The Fall, Cowboy Junkies e lista interminável.

Dali saíram nada menos que 4 singles: “Hardtimes” (novembro, de 1989), “Clear Skies” (fevereiro de 1990), “Our House” (maio de 1990) e “Oceania” (outubro de 1990); todas com direito a promoção videoclíptica, posteriormente incluídas no VHS oficial Spy File – Video Collection.

Sucedendo o provocativo  Xenophobia [Why?], lançado no ano anterior, Trash The Planet veio para manter a luz dos holofotes bem acesa, de uma banda que sempre teve como máxima compor letras contras as mais diversas injustiças sociais, inclusive vindas da Austrália, como a situação dos aborígenes; e neste caso principalmente, em prol da questão ambiental, como já diz o título – “Recicle o Planeta”, em português.

Capa do single ‘Hardtimes’ em Cassete (imagem: Discogs)

Já com uma carreira em consolidação Craig Bloxom (vocais, baixo), Mike Weiley (guitarras) e Cliff Grigg (bateria) alcançaram o 22º na parada australiana. No Brasil, o grupo seria conhecido como um dos criadores do Australian Surf Music (rótulo adquirido em terras brasileiras), graças ao sucesso que fizeram com a comunidade do surf. Midnight Oil, Hoodoo Gurus e tantos outros importantes nomes figuraram o pacote praiano.

No âmbito dos licenciamentos, a WEA soltou Trash The Planet em LP e CD na Europa, CD, Cassete e LP na Austrália, LP na Alemanha, além de um Test Pressing LP australiano. No Brasil, o disco só saiu em 2002 pela hoje extinta Tronador Music, com faixas bônus e fotos raras.

Ainda:

+ Falando em raridades, assim como toda a discografia, Trash The Planet não se encontra por menos que R$ 100,00 no mercado de colecionadores. Praticamente todos os itens são raríssimos.

Deixe um comentário