You are currently viewing Projeto Pisazz destila jazz fusion em seu álbum de estreia “Me and John”

Projeto Pisazz destila jazz fusion em seu álbum de estreia “Me and John”

Músico americano finaliza a classe de 2022 com uma pequena peça intricada, mas palatável

Por Luiz Athayde

Sempre que recebo material jazz que traz o “progressive” ali no meio de sua descrição, devo confessar que o radar fica mais ligado. Isso porque costuma ser uma mistura tão certeira como o nosso arroz com feijão.

E foi: Me and John é o nome do trabalho inteiramente assinado pelo músico americano Bill Pisano, aqui sob a alcunha Pisazz (Pisano + Jazz). Mas, como dito acima, esse estilo apenas integra parte de algo que pode ser considerado maior, tendo em vista sua variedade de influências.

O prisma seguido pelo registro é basicamente o de seminais como Chick Corea, Bill Bruford e Pat Metheny, com nuances que vão do clássico à atmosfera proferida pelo krautrock. Em 8 faixas – que por vezes parecem mais –, Pisano leva o ouvinte à uma viagem praticamente de ida. A começar pela sua instigante e dinâmica “The Missing Leftover”. E “Barns”, onde ele mostra que dá para ser ‘complicado e acessível’ ao mesmo tempo.

Já em “Nemo Saltat Sobrius”, o multi-instrumentista mostra seu inconsciente lado (Frank) Zappa, enquanto na “Cods” o mote é uma leve ideia de como seria o AOR se mais inserido no rock progressivo.

Em suma, o céu é o limite para quem toca jazz por vias livres, ainda que configurado na duração de discos de música pop, ou seja, composições com menos de 10 minutos. Mas não se engane. O grande atrativo de Me and John é justamente esse: de revelar muitas possibilidades em tão pouco tempo, e, de forma subliminar, te fazer apertar o repeat.

Disco dos bons que se deixar, vagará pelo subterrâneo, mas não do lado de cá. E daí também, por saber que você ouvirá na íntegra logo a seguir:



Deixe um comentário