Joy Division: Unknown Pleasures 40 anos hoje! Mas qual a verdadeira origem da capa?

Icônico álbum da falange de Manchester completa 40 anos e fizemos um raio x da capa

Por Luiz Athayde

Há exatos 40 anos, o icônico álbum de estreia da cria de Manchester, Inglaterra, sob a alcunha Joy Division era lançado. Sua capa apresenta um estranho padrão branco sobre fundo preto e já apareceu em milhões de camisas desde 1979. Mas de onde vem isso? E o que realmente é?

O varejista de moda de East London, Goodhood, é a mais recente marca a se juntar ao Joy Division e ao seu diretor de arte Peter Saville para criar produtos usando o design, desta vez para o quadragésimo aniversário do lançamento do álbum.

Unknown Pleasures é, talvez, a imagem mais duradoura do pós-punk. Se você tem uma camisa, de certa forma é uma maneira de ter o álbum.

Manta do álbum Unknown Pleasures do Joy Division. Imagem: Goodhood

Nos dias anteriores à internet, as informações sobre o Joy Division eram escassas: o nome da banda não aparecia no álbum e não havia sequer fotos dos músicos na contracapa do disco. E por isso mesmo, um ar de mistério crescia em torno da capa de Unknown Pleasures. O que a enigmática forma de onda simbolizava? Era um batimento cardíaco? Uma análise matemática de algo sinistro? O grito cósmico de uma estrela moribunda? Ou foi apenas a onda sonora do Pollard Syndrum, da faixa “Insight”?  

Joy Division – Unknown Plearures, 1979

Em termos simples, a imagem é uma “plotagem empilhada” das emissões de rádio de um pulsar, uma “estrela de nêutrons rotativa”.

Originalmente chamado CP 1919, o pulsar foi descoberto em novembro de 1967 pela estudante Jocelyn Bell Burnell e seu supervisor Antony Hewish na Universidade de Cambridge. Quando a estrela gira, emite radiação eletromagnética em um feixe como um farol, que pode ser captado por radiotelescópios. Cada linha na imagem é um pulso individual. Eles não são exatamente os mesmos a cada vez que percorrem um longo caminho pelo universo e a interferência atrapalha.

Como Jen Christiansen, da Scientific American, descobriu de forma exaustiva, a imagem foi publicada originalmente em sua própria revista em janeiro de 1971, onde parecia branca sobre um fundo azul brilhante, um pouco como essa recriação:

Um mockup do design ciano de “Unknown Pleasures” como apareceu na Scientific American em 1971. Imagem: Imprensa

Mas a revista reproduziu o trabalho acadêmico de um estudante de pós-graduação, Harold D. Craft Jr., que publicou sua tese de doutorado em 1970 chamada “Observações de Rádio dos Perfis de Pulso e Medidas de Dispersão dos Doze Pulsares”. Trabalhando no Observatório de Rádio de Arecibo, em Porto Rico, Craft usou uma nova tecnologia de computador para traçar as ondas de rádio do PC 1919.

Ele disse a Christiansen: “Eu escrevi um programa que, em vez de ter [cada linha] alinhada verticalmente, eu os inclinei ligeiramente para que parecesse que você estivesse olhando para uma encosta o que era esteticamente agradável”. Na sua tese, Craft entregou os lotes a uma desenhista da Universidade de Cornell que preencheu as linhas com tinta preta… Um estranho presságio para as mil tatuagens do Joy Division.

Tatuagem apresentando a arte de Unknown Pleasures. Imagem: Tattoo Filter

Mas como essa parte da astronomia foi parar na capa de um álbum de estréia de uma banda pós-punk de Manchester? A imagem foi reproduzida no Reino Unido em 1977 como parte de um grande livro chamado “The Cambridge Encyclopaedia of Astronomy”, onde fazia parte de um recurso sobre pulsares que foram, é claro, descobertos por pesquisadores de Cambridge.

Foi aqui que Bernard Sumner –  que trabalhava como designer gráfico nos estúdios de animação Cosgrove Hall em Chorlton, Manchester – viu a imagem. Ele disse a Maxim em 2015: “No meu horário de almoço, eu ia à Biblioteca Central de Manchester e pegava um sanduíche no café.

“Eles tinham uma boa seção de arte e uma boa seção de ciências. Eu lia os livros em busca de inspiração. Uma das imagens que eu encontrei foi a de Unknown Pleasures que clicou comigo imediatamente.

“No Joy Division, tive insônia e fiquei acordado até tarde. Eu estava construindo sintetizadores – eles levaram meses para construir, soldando todos os componentes, e eu teria 2001: Uma Odisséia no Espaço tocando ao fundo. Se você tirar o obelisco daquele filme, ele terá a mesma forma.” Quando o Joy Division estava para lançar seu primeiro álbum com a Factory Records do já famoso Tony Wilson no verão de 1979, eles foram até o designer da gravadora, Peter Saville, para discutir a capa.

Ele disse a MOJO em 2005 que a banda se aproximou dele com um arquivo de cortes e ofereceu o enredo das ondas de rádio do CP 1919 e outra imagem enigmática de uma mão saindo de trás de uma porta sombria, tirada de um livro de 1970 de fotos de Ralph. Gibson ligou para o sonâmbulo.

Saville lembrou: “[Eles disseram] gostaríamos que fosse branco por fora e preto por dentro. Eu tirei esses elementos e coloquei tudo junto dando o melhor mim. Ninguém disse que tamanho ou onde – eu tive que descobrir como.

“Eu contradisse as instruções da banda e fiz com que fosse preto por fora e branco por dentro, o que eu senti que tinha mais presença.”

Uma edição do 40º aniversário do álbum replica a ideia da capa branca original:

Edição comemorativa de 40 anos de Unknown Pleasures em vinil. Imagem: Ecommercedns

Uma manga texturizada foi adicionada para dar à extensão de preto uma “qualidade mais tátil”.

Saville acrescentou: “Foi chamado Unknown Pleasures [Prazeres Desconhecidos], então pensei que quanto mais isso pudesse ser uma coisa negra enigmática, mais ele poderia evocar o título.”

Enquanto isso, Harold Craft, que havia imprimido a imagem em primeiro lugar no final dos anos 60, não fazia ideia de que seu trabalho havia se transformado em um dos projetos de capa de álbum mais icônicos da história. “Eu não tinha idéia”, ele disse a Jen Christiansen “Então eu fui para a loja de discos e, cara, lá estava. Eu comprei um álbum, e um pôster também, sem nenhuma razão específica, exceto por ser a minha imagem e que eu deveria ter uma cópia disso.”

É isso: a capa foi criada por uma estudante e está longe de ser um grito cósmico, mas uma transmissão oriunda das profundezas do espaço. Curiosamente, o primeiro single lançado após o laçamento de Unknown Pleasures foi “Transmission”.

Mas aí é outra história…

Artigo traduzido livremente do inglês do Radio X UK.

Deixe uma resposta