Jello Biafra and The Guantanamo School of Medicine ‘homenageia’ Rush Limbaugh em novo single “Blunder Blubber”

“Se existe um inferno, ele provavelmente está rindo e saboreando um charuto agora, com McVeigh…”, disse Biafra

Por Luiz Athayde

Jello Biafra e sua Escola de Medicina de Guantánamo estão em festa. Ao menos é o que denota o novo single digital editado pela honorária voz do Dead Kennedys.

Se trata do single “Blunder Blubber”, inspirado em Rush Limbaugh, conhecido radialista e ativista político da extrema-direita norte-americana que faleceu nesta quinta (18) por complicações de um câncer no pulmão.

Em  comunicado, Biafra não escondeu sua alegria: “Woo Hoo! Pela primeira vez, algumas boas notícias: Rush Limbaugh está morto! Morto !! MORTO !!!”

“E quantos baba-ovos de Trump estariam nos ameaçando se Clinton e Gingrich não tivessem se juntado e tido um filho chamado Lei das Telecomunicações de 1996, apagando a lei de que mesmo grandes barões famintos só poderiam ter um jornal e uma estação em cada área principal. Projetado intencionalmente para abrir as comportas, para que Fox, Clear Channel, Sinclair e outras piores pudessem engolir e aniquilar quase todos eles. Para que Ódio o Tempo Todo seja tudo o que você possa encontrar no dial enquanto dirige pela América.”

Mas, curiosamente, o artista revela que, embora no timing, a música é antiga:

“Então ding dong, Rush se foi. Um a menos, faltam 77 milhões. Aproveite o momento e espero que você goste da música. Escrevi claramente quando Clinton era presidente, estava escrito  na parede. Eu esperava nunca ter que usá-la, mas não tínhamos escolha a não ser atualizá-la e executá-la agora.

Se existe um inferno, ele provavelmente está rindo e saboreando um charuto agora, com [o terrorista Timothy] McVeigh…”

Ouça abaixo:

O novo registro solitário do Jello Biafra and The Guantanamo School of Medicine configura o primeiro lançamento deste pandêmico ano de 2021 e sucede o álbum Tea Party Revenge Porn, lançado em 2020. A discografia da banda ainda inclui os discos cheios White People and the Damage Done, de 2013 e a estreia feita em 2009, com o The Audacity of Hype.

Deixe um comentário