Baterista do Joy Division fala sobre seu livro

“Nós devíamos ter feito camisas dizendo ‘eu levei garrafada no show do Warsaw’ ”, diz Stephen Morris

Por Luiz Athayde

Em entrevista concedida à NME Stephen Morris, baterista dos icônicos Joy Division e New Order  falou um pouco sobre “Record Play Pause : Confessions of a Post-Punk Percussionist: Volume 1”, sua autobiografia, pouco antes de ser lançada e relevou algumas curiosidades.

Sobre por que decidiu escrever um livro:

Eu queria escrever um romance, porque li muito e achei que poderia escrever um bom romance. Quão difícil isso pode ser? Mas eu gostei do processo de lembrar das coisas. Eu me lembro de todos esses eventos, de entrar na banda e do que aconteceu. O que me surpreendeu foi o quanto aconteceu num curto espaço de tempo com o Joy Division. Fizemos muitos shows e, obviamente, Ian estava doente e você se pergunta como nós fizemos isso. Estava longe de ser um trabalho adequado. Você nunca pensou se iria terminar.”

Sobre do que se trata “Record Play Pause”:

“… é sobre todas as partes antes de Joy Division e Warsaw. É sobre como você acaba querendo estar em uma banda em primeiro lugar. Meu pai gostava de jazz e sempre quis que eu aprendesse um instrumento musical. Eu estava pensando: “Ótimo, eu aprenderei violão” e ele disse “Você pode aprender o clarinete“. E acrescenta: “… mas eu pensei: ‘Ok isso é uma merda’, e acabei desistindo. Então eu decidi montar uma banda. Meu companheiro tinha uma guitarra e eu fui até a casa dele e comecei a bater em suas panelas e ele tipo ‘você deveria ser um baterista’. Então eu fui até meus pais e eles concordaram, mas vieram com alguns termos e condições. No momento em que eu tive aulas e aprendi a tocar, eu tive a ideia de estar numa banda de rock de vanguarda. Então me concentrei apenas nos aspectos do estilo de vida de ser uma estrela do rock, que era, basicamente: se emputecer, usar drogas e pensar que era uma estrela do rock. Acabei sendo expulso da escola, me metendo em muitos problemas e desisti de ser músico. Mas então o punk aconteceu e me tornei um ávido colecionador de discos e fui a muitos shows. Eu nunca pensei que nessa fase eu acabaria fazendo isso para ganhar a vida.

Stephen também diz que há um certo exagero em relação ao show do Sex Pistols em Manchester em 1976, que originou algumas das bandas mais icônicas da cena inglesa: “Eu não estava lá, mas acho difícil acreditar que havia alguma voz celestial lá”. Outra história é sobre pancadaria em shows da banda:

Sim, [a pancadaria] aconteceu. Chegou num ponto em que eu disse: “A gente devia fazer camisas dizendo ‘Eu levei garrafada no show do Warsaw’. Nós achamos que fazer shows era realmente difícil e começamos a nos encher disso. A gente não entendia como todas essas outras bandas estavam fazendo shows e não conseguíamos um. Nosso primeiro show que tocamos como Joy Division foi na Pips Discoteque em Manchester. Basicamente o público era composto por colegas de uma banda e colegas da banda de abertura e era assim que deveria começar, haveria um motim na frente do palco”. “Então nós tocamos em um show de talentos e duas coisas vieram disso, uma foi o Rob [Gretton], que queria nos gerenciar e a outra era o Tony. Era apenas encontrar pessoas que acreditavam em nós porque na época nos sentimos como se o mundo inteiro estivesse contra nós. Isso fez uma grande diferença.

Se a música do Joy Division estava à frente de seu tempo, Stephen diz:

Sim, estava. Na sua cabeça você está pensando no momento em que estamos fazendo punk rock, mas quando você ouve, não soa nada assim. As pessoas vinham até nós e diziam: ‘Vocês soam como Manchester’. Eu ficava tipo, ‘O que você quer dizer?’ ‘Vocês soam como os prédios’ eles diziam, e nós fizemos. O lugar estava cheio de locais bombardeados e escombros e não havia se recuperado da Segunda Guerra Mundial. Foi um lugar muito sombrio e eu acho que muitas cidades estavam assim nos anos 70 e isso acabava saindo no que fazíamos.”

Ian Curtis e saúde mental:

As atitudes em relação à saúde mental definitivamente melhoraram com o tempo, no sentido de que é algo que agora você pode falar e as pessoas entendem.”, diz. “Mas naquela época as pessoas não entendiam a epilepsia, achavam que era algo que você podia resolver sozinho e havia um pouco de tabu sobre isso, então você não sabia o que fazer. Ian ficava deprimido e você falava como ‘levanta, vai ficar tudo bem’. Era difícil admitir que havia algo de errado”, confessa.

“Agora as coisas mudaram, apesar dos jovens estarem sob muito mais pressão do que nós e ter muito mais coisas acontecendo que podem empurrá-los para o fundo do poço”, e acrescenta: “Ainda assim, admitir para si mesmo que algo está errado é difícil porque você não quer acreditar nisso. Mas pedir ajuda não vai te matar. O tratamento é muito mais amigável agora. Os medicamentos que Ian teve que tomar eram dolorosos. Às vezes, eles eram piores do que os próprios sintomas porque tinham um efeito real sobre ele”.

Sobre o legado do Joy Division:

Sim, ao ponto em que você pensa:” Eu realmente fiz parte disso? “Parece que as pessoas estão falando sobre outra pessoa na maior parte do tempo porque há muita obsessão com a banda. Há coisas na internet que dizem ‘neste estágio, o Joy Division fez isso’. Eu digo, ‘diabos, éramos apenas uma banda’, mas é ótimo termos afetado as pessoas dessa maneira. Eu não posso começar a dizer que entendi. Mas, novamente, eu mesmo me senti assim quando comecei a entrar na música com bandas, fiquei realmente obsessivo e gostaria de saber tudo sobre elas. Quando isso acontece com você, não consigo descrever como é. É incrível e assustador.

Se foi difícil formar uma nova banda após perder Ian:

Foi porque não sabíamos o que diabos faríamos e foi uma luta para começar. Ir para a América realmente ajudou o início da banda porque é de onde veio o New Order – veio da dance music de lá, mesmo que não soubéssemos disso na época. Isso nos levou a fazer o que fizemos. Essa é uma das coisas de que mais me orgulho, o fato de que realmente conseguimos fazer isso. Você normalmente não recebe uma segunda chance na vida.

Sobre como surgiu a música tema da Copa do Mundo de 1990 na Inglaterra:

Foi ideia do Tony. Ele conhecia pessoas na FA [Federação Inglesa de Futebol] e nos perguntou se nós gostaríamos de fazer uma música sobre futebol. Nós apenas rimos e dissemos: ‘Uma música sobre futebol, você deve estar brincando’. Ele estava tipo, ‘Não, vai ser ótimo, vocês farão a melhor música de futebol de todos os tempos‘ “.

Eu tenho que admitir que achei uma péssima ideia, porque eu nunca ouvi uma boa música de futebol. Então pensamos em apenas escrever uma música e esquecer o futebol. Nós acabamos de fazer uma música e depois colocamos o futebol porque não tínhamos ideia. Quero dizer, como você pode colocar o futebol nas letras sem parecer ridículo? Mas de alguma forma nós conseguimos fazer isso. Temos o ator Keith Allen em quem teve algumas boas idéias. Ele veio com o rap de John Barnes. Inicialmente fizemos com que todos o fizessem, [o ex-zagueiro da Inglaterra] Des Walker, [Paul] Gascoigne e no final foi bastante óbvio que John Barnes era o homem para o trabalho. Apesar de nossas reservas, acabou sendo uma boa música e estou realmente orgulhoso de termos feito isso.

Se ficou triste com a saída do baixista Peter Hook em 2007 e se há alguma chance de retorno:

Sim, não é legal brigar com as pessoas. É uma dessas coisas que você vê acontecer com outras bandas e nós pensamos que isso nunca vai acontecer conosco. Mas, com o tempo, mesmo que você tenha o melhor emprego do mundo, não poderá ser feliz o tempo todo. Você sempre quer fazer outra coisa eventualmente. É uma pena, mas é isso aí, você continua.”

“Não faço ideia. Houve uma época em que tivemos uma pausa antes dos anos 90 e pensamos: ‘Não, a gente nunca mais vai  voltar a tocar junto’, mas o fizemos. Eu não estou dizendo nada além disso, não é muito provável.”

New Order, Joy Division e a atual cena musical:

“… Seria legal tocar algumas coisas novas nos shows, mas não tivemos tempo de fazer isso. Estamos refazendo algumas coisas antigas de uma maneira diferente, mas é isso.”

“”Estamos falando sobre fazer algo [sobre o 40º aniversário de Unknown Pleasures], o que será não tão longe. Mas queremos fazer algo especial para marcá-lo ”.

“… há algumas bandas boas que eu tenho ouvido ultimamente. Eu gosto bastante do Confidence Man, eles são muito engraçados e a banda [do guitarrista do Fat White Family, Saul Adamczewsk], Insecure Men. Minha filha estava em BTS antes de ficarem grandes. Era engraçado que nós pegássemos todas essas coisas estranhas de K-Pop da Coreia e eu fiquei tipo ‘Quem está enviando essas coisas’. Agora eles são grandes, ela é como ‘Nah, [os shows deles] estão [sempre] esgotados’. Minha outra filha está em uma banda e ela está sempre me pedindo teclados emprestado, o que é ótimo”.

Ainda sem previsão de lançamento no Brasil, “Record Play Pause : Confessions of a Post-Punk Percussionist: Volume 1” está disponível na Amazon.

Deixe um comentário