Autoramas e Rodrigo Lima (Dead Fish) lançam segundo single e vídeo de parceria; “Sem Tempo”

Autoramas e Rodrigo Lima (Dead Fish) lançam segundo single e vídeo de parceria; “Sem Tempo”

Banda se encontra em processo de geração do aclamado álbum ‘Libido’, de 2018

Por Luiz Athayde

O mês de agosto sequer terminou e a banda Autoramas  voltou com novo fechamento com Rodrigo Lima, vocalista do Dead Fish. Se trata do single “Sem Tempo”; uma ode às avessas ao estresse a correria do dia a dia.

A letra é assinada por Rodrigo e a música ficou a cargo do sempre inspirado guitarrista e vocalista Gabriel Thomaz, que também produziu, juntamente com Ale Zastras e Jairo Fajer. Para o videoclipe, o escalado foi Eduardo Normann, da banda Space Rave.

Embora aparentemente inusitado, essa parceria se monstrou mais que natural, já que estamos diante de duas grandes figuras do subterrâneo brasileiro – com umas passadas próximas ao mainstream – e que, sobretudo são amigos de longa data.

O Class Of Sounds procurou saber mais a fundo sobre esse bate-bola de garagem com o mentor do Autoramas:

“Eu e o Rodrigo, nós somos amigos desde os anos 90. Eu comecei no punk rock, coisa e tal. O Rodrigo tem os dois pés enfiados até a cabeça, no punk, no hardcore”, contou. “No ano passado a gente viu um documentário sobre a cena de Washington [Punk The Capital], com o [Henry] Rollins, Ian MacKaye, a galera do Minor Threat,  Bad Brains, Teen Idles e tal, e as músicas, assim, tudo tem um minuto, um minuto e dez, a gente ficou na pilha de fazer umas letras legais com as músicas ultra urgentes, e deu nisso aí.”

Quando perguntado se as composições ou possíveis novas parcerias com Rodrigo continuariam com um viés agressivo, ele traçou uma linha do tempo pessoal:

“Eu comecei minha vida naquela época do grunge, era uma época que tocava heavy metal no rádio, Pantera, sei lá o quê, o Metallica, e aquilo eu acho muito mais pesado e agressivo do que essas músicas que a gente fez. O punk rock tem um suingue que me agrada muito, um bolly bolly assim, sabe? E acho que a gente conseguiu captar nessas duas gravações. É uma energia mais para dançar, chacoalhar o esqueleto.”

Atualmente a banda está em processo de registrar o sucessor do aclamado álbum Libido, lançado em 2018, e perguntamos se tanto “Sem Tempo” quanto  “A Cara do Brasil”, faixa anteriormente divulgada, podem entrar. A resposta revela impasse, mas, ao mesmo tempo, certa esperança para quem curtiu a parceria: “Essas duas músicas foram feitas para saírem como singles, com a gente e com o Rodrigo, até pensando num vinil, mas está tão difícil a produção disso, que eu não sei ainda”, diz. “Estou fazendo uma campanha dentro da banda para que essas duas músicas entrem no nosso álbum, talvez como bonus tracks, mas estão ali.”

Sem mais tempo a perder, confira o resultado do trabalho de Normann abaixo, ao extrair imagens de L’Enfern, filme inacabado, rodado em 1964 por Henri-Georges Clouzot; o longa de 1923 dirigido e estrelado pelo gênio da comédia americana Harold Lloyd, Safety Last!; e do curta/documentário Praça da Sé, de 1976, dirigido pela Nilce Tranjan.


Deixe um comentário