You are currently viewing ATHAK – Dihmin Ïszhe

ATHAK – Dihmin Ïszhe

Projeto avant garde jazz francês é calcado em uma miscelânea de influências que vão do prog ao death metal

Por Luiz Athayde

Na língua híndi, ATHAK significa “incansável”. E não é toda banda ou artista que lança mão de uma alcunha que caiba perfeitamente em seu trabalho.

Cria do compositor, instrumentista e produtor Scarset Vincent, este projeto de orientação avant garde contabiliza nada menos que cinco álbuns somente este ano, mas irei me ater ao envolvente Dihmin Ïszhe.

Na verdade, não sei se este adjetivo cabe a ouvidos mais acostumados ao formato pop de música, mas certamente é um registro que vale, no mínimo, a atenção.

A mente mestra francesa não costuma trabalhar sozinha. Nas suas explorações sônicas, Vincent costuma contar com músicos convidados, oridundos especialmente de Hong Kong, onde ele residiu por muitos anos.

Neste trabalho em específico, ele não poupou derramar suas infinitas influências musicais estranhas, experimentais, intricadas e melodiosas. As conexões aqui vão de Magma a Soft Machine; Medeski Martin and Wood a Frank Zappa, em sua biografia, o músico chega a citar nomes do metal extremo, como Deicide, Emperor, Cannibal Corpse e Dimmu Borgir.

Todo esse pacote sonoro vem nas duas faixas presentes no registro: a autointitulada e “Eulogh Ïsz”. O mergulho é dos mais profundos no jazz fusion, mas em uma zona totalmente livre, onde ouvinte não sabe se está imerso na psicodelia, na música progressiva ou se é apenas um grande mantra comandado por vozes e instrumentos acústicos.

Ou, como o autor diz: “É uma jornada da mente humana, a infinita beleza do tempo”, que na audição se torna algo relativo, dependendo de seu estado mental…

De qualquer forma, Dihmin Ïszhe é uma pequena peça discográfica que se alinha aos panteões do estilo, não pelo quesito inovação, mas por ser parte integrante de uma atitude que dá gosto de sentir em meio a tanta coisa industrializada e pasteurizada que vemos, ou pior, ouvimos por aí.

Ouça ATHAK no Bandcamp, ou abaixo, no Spotify. E boa viagem.

Please follow and like us:
Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Deixe um comentário