Wayne Hussey fala sobre livro, Andrew Eldritch, doideiras com Ian Astbury e mais

Wayne Hussey fala sobre livro, Andrew Eldritch, doideiras com Ian Astbury e mais

“Você sabe como é Eldritch com as letras: pode levar seis meses para escrever uma única música”, disse líder do The Mission

Por Luiz Athayde

Na onda das autobiografias – os aficionados por música e leitura agradecem – mais um artista do pós-punk lança a sua. O livro Salad Daze saiu ontem das gráficas e seu mentor e líder, assim como do icônico The Mission falou para a Louder Sound um pouco sobre sua infância, vida na estrada e os difíceis, mas ao mesmo tempo divertidos dias no comando de um das guitarras do The Sisters Of Mercy.

Wayne já começa contando o motivo de abrir sua vida familiar no livro.

“Meus pais não queriam isso bem conhecido. Eu não mencionei entrevistas em respeito a elas. Mas quando eu quase terminei de escrever o livro, pensei: ‘Sabe, muitos do que sou e o que me tornei e o modo como vivi a minha vida provavelmente tem muito a ver com o minha infância’. Fui até minha mãe e meu pai e perguntei: ‘Você se importaria, se eu colocasse isso no livro?’ Eles conversaram sobre isso e disseram: ‘Sabe de uma coisa, estamos com 80 anos agora, tudo bem.’

“Então eu entrevistei minha mãe; Eu sempre terei a gravação disso.

“Quando eu tinha uns 10 ou 11 anos, eu estava na igreja certa noite jogando um jogo de tabuleiro com o secretário da igreja e ele me disse: “Então, quando seus pais te contaram que você foi adotado?” “O que ?!” Eu estava chorando. Eu não fazia ideia. Meus pais vieram até a igreja: “Wayne, nós nunca escondemos isso de você. Você se lembra, no casamento? Seu pai adotou você.” Eles não mantiveram segredo, mas aos quatro anos você não guarda muitas lembranças.

Mas foi só então que descobri que meu pai não era meu pai verdadeiro, mas tenho uma lembrança nebulosa de não haver homens na minha vida quando eu era muito jovem.”, diz Hussey. E fala sobre seu pai biológico:

 “Não, meu pai é meu pai. Ele sempre foi meu pai. Foi uma Páscoa, há cerca de 5 anos, quando meus pais estavam no Brasil – tinham a propriedade ao lado de onde moro no campo. “Sexta-feira de Páscoa”, minha mãe disse. “Esse é o dia que contei para sua babá; foi o dia em que ela recebeu uma carta minha dizendo que eu estava grávida”.

E foi aí que ela me contou coisas que ela não havia me dito antes; ela me disse o nome do meu pai, que ele era de Los Angeles, que ele tinha estado nos cultos na Inglaterra, que ele nunca soube que ela estava grávida e que ele tinha um filho. Eu o procurei on-line – eu não queria rastreá-lo ou encontrá-lo – e, até onde sei, ele morreu em 1991, então eu não teria conseguido entrar em contato com ele de qualquer maneira. Eu nunca tive essa curiosidade, exceto quando minha segunda filha nasceu e minha esposa na época estava me perguntando sobre isso.”

Sobre se sente nostalgia ao lembrar de sua infância nos anos 60:

“Eu olho para trás, e apesar das circunstâncias do meu nascimento, penso na minha infância como sendo um momento muito agradável. Eu não acho que isso me deixou com grandes traumas ou problemas mais tarde na vida, como parece para outras pessoas. Eu tenho sorte a esse respeito.”

Um dos grandes boatos a respeito de Wayne Hussey é que a escritora JK Rowling se inspirou no jovem Wayne para compor o personagem de Harry Potter.

“Quando JK Rowling ficou famosa, ficou conhecido que ela estudava na mesma escola que eu. Ela era a ex-aluna mais famosa; Eu também estou na lista. Supostamente nosso diretor foi a inspiração para Albus Dumbledore. Eu tenho minhas próprias histórias sobre o Sr. Dunn. Ele me cutucou quando eu tinha uns 5 anos de idade.

“Quando comecei a usar óculos, era a época em que ela estaria na escola – ela é 3 ou 4 anos mais nova que eu. Conseguir óculos foi uma experiência bem traumática para mim. Hoje em dia, as crianças não pensam duas vezes sobre isso; minha sobrinha vai para a escola com armações sem vidro. Naquela época eu era a única criança na escola que me lembro de ter que usar óculos. Então, passou pela minha cabeça: eu me pergunto de onde veio a inspiração visual para esse personagem? Seria bom saber; coloque essa teoria na cama. Eu não sabia nada sobre os livros de Harry Potter, mas pensei em juntar dois mais dois e fazer outro número.

De qualquer forma, eu ouvi que JK Rowling gostava de música gótica quando era mais nova.”

Wayne Hussey ou Harry Potter?

Outra curiosidade é que Jon Klein, guitarrista do Specimen e fundador da lendário clube londrino The Batcave era um mórmom na Scouts, assim como Hussey.

“Nós estivemos em todos os lugares. E eu só descobri durante a composição deste livro que o guitarrista de Bowie, Mick Ronson, também era mórmon. Ele foi enterrado em uma capela mórmon. E ele fazia aniversário no mesmo dia que eu.”

Sobre as biografias musicais sempre enfatizarem a infância problemática dos músicos, Wayne comenta:

“Quando eu leio sobre outros começos de bandas de rock eles parecem motivados por ter este ponto de ter que provar para o mundo em lidar com abuso de um tipo ou outro quando eles eram crianças. Mas me sinto realmente normal; Eu não estou fodido como alguns rockstars que você lê em livros. Eu tenho uma boa vida, estou razoavelmente bem equilibrado. Tem sido difícil para mim ter empatia com aqueles que têm algo para desabafar.

“Na vida, você gira em torno de pessoas com as quais tem algo em comum, você se dá melhor com pessoas que entendem seus pontos de referência: famílias amorosas normais, criadas longe dos centros das cidades. Todos os membros do The Mission – Mick (Brown), Craig (Adams), Simon (Hinkler), até mesmo Mike (Kelly) agora – os pais sempre vieram para os shows e desde o primeiro dia foram muito favoráveis. Nós até os levamos para o estúdio algumas vezes e tivemos que dividir um quarto e dar aos pais nossos quartos pessoais.

Meus pais vieram ver o Sisters quando tocamos em Bristol, no Trinity Hall, no Old Market. Eles não gostaram muito.”

Sobre ter participado ativamente de várias bandas mesmo antes de formar o The Mission:

“Eu sempre fui conduzido. Seja qual for a banda em que estive, queria estar muito envolvido e, em muitos casos, carreguei essa banda. Mas essa é outra razão pela qual eu queria colocar esse primeiro capítulo. Todo esse episódio – como eu cheguei a ser, que eu deveria ser levado para adoção – que ajudou muito no personagem que eu me tornei. Esse foi um fator subconsciente no meu caminho. Tenho certeza de que algum psicanalista poderia argumentar de forma diferente, mas faz sentido para mim.”

The Mission em 1987

As diferenças entre Andrew Eldritch e Peter Burns e seu difícil relacionamento com o líder do The Sisters Of Mercy:

“Pete era uma vadia e ele era uma cadela gay. [Já] Andrew não era uma vadia gay. Andrew – não havia calor nele. Pete, não importa o que achasse, podia ser muito, muito caloroso e leal, e eu senti que ele tinha um enorme respeito por mim, pelo que eu trouxe para ele, para Dead Or Alive, enquanto eu nunca senti isso com Andrew. Eu nunca senti que ele realmente me respeitava ou valorizava minha opinião. Precisamos de algum tipo de validação no que fazemos e nunca recebi isso de Eldritch. Ele ficou sob a minha pele muito mais do que ele merecia, para ser honesto.”, e continua:

“Andrew estava gerenciando a banda. Não é como se ele viesse e se reunisse conosco. Não tivemos como dizer. Embora eu me lembre dele me perguntando sobre Dave Allen (produtor de First And Last And Always) porque eu trabalhei com ele antes, mas Andrew realmente não era aquele que pedia opiniões. Ele era bastante auto-suficiente, o que é um forte atributo a ter. Eu gostaria de poder ser mais assim.”

O repórter da Louder ao brincar dizendo que as turnês do Sisters eram como uma viagem escolar – as “crianças mal educadas” Craig Adams e Wayne Hussey no banco de trás e o “professor” Andrew na frente –, Wayne responde:

“Eldritch iria repreendê-lo e reagir ao seu comportamento. Estar em uma banda é engraçado e nós víamos esse lado, mas ele ficava doido com a gente por mijar na cerveja ou ter uma boneca inflável para uma entrevista em um canal de sexo. Obviamente, Andrew tinha senso de humor, mas seu humor provavelmente era mais como de um garoto de escola pública”.

The Sisters Of Mercy em 1985

Como a vida na estrada especialmente em seu início não é fácil, a banda basicamente sobrevivia de pão, e algumas laranjas para durar a semana; além de boas doses de álcool e anfentamina. Mas só Andrew chegou a ficar doente.

“Porque eu não estava tão estressado quanto Andrew. Andrew estava carregando muita responsabilidade. Muito disso foi por causa de sua incapacidade de delegar. Antes de The First And Last And Always ele passou o último ano negociando contrato, preparando publicidade, o selo, o escritório e não tinha tido tempo para escrever nenhuma música. Isso é parte da razão pela qual ele esteve tão mal em The First And Last And Always, porque sua contribuição real não foi como dos outros [integrantes da banda] Sisters. Nenhum de nós vivia um estilo de vida saudável, mas Craig e eu saímos de vez em quando, conseguimos um pouco de ar fresco.

Você sabe como é Eldritch com as letras: pode levar seis meses para escrever uma única música. Ele teve que escrever um álbum de letras. Essa pressão pode ter sido auto-induzida, mas foi imensa.”

The First And Last And Always, álbum de estreia do The Sisters Of Mercy

“Acabamos trabalhando 24 horas: Andrew preferia trabalhar à noite, então o pobre Dave Allen tinha que trabalhar parte do dia e parte da noite. A ideia era que Andrew trabalhasse nos vocais à noite, mas ele procrastinava trabalhando no drum reverb: você não faz isso até a hora de mixar. Era obviamente uma manobra.

Eu entendi agora. Muitos anos depois, eu entendi. Para sentar e escrever uma letra, você precisa estar no estado de espírito correto. Tem que haver um clique para dar o pontapé inicial. Então você está ocupado com coisas de menor importância, porque você não quer enfrentá-lo nesse ponto.”, completa Hussey.

No livro também há histórias engraçadas como carangueijos em turnê:

“Craig e eu levamos caranguejos na turnê. Não temos certeza de onde ou como: eu falo que ele que me deu, já ele diz que eu que dei para ele. A gente nunca vai saber. A esposa do nosso técnico de som era uma enfermeira e ela lhe disse: “Fala pra eles colocarem esta pomada todos os dias nas partes cabeludas do corpo e usarem toucas de banho” Então, nós nos sentamos no ônibus da turnê – The Flying Turd – de cueca e toucas de banho nas nossas cabeças. Algumas semanas depois, ele [o técnico de som] admitiu ter inventado um pouco sobre toucas de banho, só para deixar a equipe rir quando eu e Craig comparecermos para a passagem de som.

E Andrew se recusou a andar na van.

Claro, me atrevo a dizer que teria feito o mesmo. Mas acho que foi uma desculpa [para não ficar com a gente].”

Se houve culpa pela saída do guitarrista Gary Marx, Wayne comenta:

“Na mente de muitas pessoas, eu tenho a culpa pelo rompimento dessa formação, mas não foi minha culpa. Eu era apenas o mensageiro. Isso foi logo depois que fizemos Whistle Test. Mark foi para casa e nós três ficamos em um hotel em Londres e foi aí que Eldritch deu o ultimato.

“Cheguei a essa hipótese no livro de que o problema entre Mark [Pearman, nome real de Gary Marx] e Andrew era que, quando entrei no grupo, Andrew se tornara “Eldritch”, enquanto Mark o conhecia quando ele era Andy Taylor. Eu só peguei raros vislumbres de “Taylor”, a maior parte do tempo era “Eldritch”, aquela pessoa. Eu acho que Andrew se ressentia do fato de que Mark podia ver através dessa máscara, essa pretensão, se você quiser. Ter que viver com essa pressão constante de ser alguém com uma personalidade planejada deve ser um trabalho árduo.”

The Sisters Of Mercy ainda com Gary Marx (ao fundo)

Com uma lacuna aberta causada pela saída do guitarrista Gary Marx (que depois formaria o seminal Ghost Dance), Wayne e Craig preferiram continuar, apesar do difícil relacionamento com Eldritch.

“Nós poderíamos ter feito, mas tivemos uma grande turnê européia e uma grande turnê americana. Eu acho que havia interesse próprio: por que deixar algo que era uma preocupação de começar do zero novamente. Embora tenhamos feito isso seis meses depois, de qualquer maneira.”, diz Wayne.

“Eu acho que já era [uma aliança de conveniência] quando eu entrei. Mark e Andrew raramente se falavam, embora morassem na mesma casa. Eles eram mais amigos, mas deve ter sido o caso de Andrew querer lutar por controle ou Mark renunciar isso. Eu acho que Craig teria muito mais discernimento do que eu porque ele estava lá desde o começo e viu como essas relações evoluíram. A dinâmica que eu encontrei não era a mesma que ele encontrou.

O som do Sisters não mudou por minha causa; eles queriam mudar, eles queriam sucesso comercial. Eles trouxeram a energia, eu trouxe o pop.”

Muitos rockstars (ou no caso aqui “gothstars”) possuem ao menos uma pequena história envolvendo o saudoso Lemmy do Motörhead, com Wayne não foi diferente.

“Ian [Astbury, The Cult] me ligou e disse: “Você quer sair e ver Killing Joke? Eu vou trazer uma pessoa amiga. ”Eu naturalmente presumi que seria uma amiga, uma garota. E eis que era Lemmy. Lemmy veio imediatamente: “Aqui, tem um pouco disso”: peguei o embrulho, coloquei um pouco de speed em uma lâmina e coloquei debaixo do meu nariz. Ele tinha uma garrafa de conhaque que ele estava passando para todo mundo.

E então chegamos ao Hammersmith Palais. Lemmy disse: “Esses são meus amigos.” Ele nem precisava dizer que estava na lista de convidados, ele acabou de entrar. Eu o segui e ele caminhou até o bar. Enquanto ele falava com alguém no bar, ele me puxou para a conversa: “Wayne, conheça Jimmy.” Era Jimmy Page. Ele estava encostado no bar com uma garota em cada braço. Naquele momento eu estava quase obcecado por Jimmy Page. A primeira coisa que eu pude dizer foi: “Você vai produzir o nosso álbum? “Cai fora.” “Tudo bem, então.”

Isso foi o máximo que conversamos. Obviamente, não era a melhor hora para perguntar a ele. No dia seguinte tocamos no Albert Hall e tive a ressaca mais horrível, com a qual Eldritch não estava feliz.”.

E não parou por aí, teve até ida ao show da Madonna em Nova Iorque:

“Eu, Andrew e Joey Ramone sentamos juntos. Ele estava na mesma lista de convidados que nós. Nós estávamos sentados lá entre todos aqueles sósias de Madonna. Eram quase todas meninas de 12 a 16 anos e então nós.”

A turnê britânica intitulada Salad Daze Tour terá início dia 27 de agosto em Winchester e encerra dia 6 de novembro em Bath, com participação de Evi Vine e uma data reservada juntamente com sua nova banda, The Divine.

Entrevista em inglês no Louder Sound.

Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Erro no banco de dados do WordPress: [Table './classofs_wp/wp_comments' is marked as crashed and should be repaired]
SELECT SQL_CALC_FOUND_ROWS wp_comments.comment_ID FROM wp_comments WHERE ( comment_approved = '1' ) AND comment_post_ID = 1168 AND comment_parent = 0 ORDER BY wp_comments.comment_date_gmt ASC, wp_comments.comment_ID ASC

Deixe uma resposta

Fechar Menu