The Sea At Midnight – S/T

The Sea At Midnight – S/T

Após uma sucessão de singles, projeto coldwave faz estreia nocauteante na classe de 2020

Por Luiz Athayde

Por muito pouco a estreia discográfica do The Sea At Midnight não foi parar no Você Precisa Ouvir. E a “quebra de protocolo” quase ocorreu por motivos óbvios; nocaute sônico, de deixar o ouvinte atordoado por um bom tempo.

Quem comanda o barco é o músico californiano Vincent Grant. Das 8 faixas que compõem o primeiro e autointitulado álbum deste projeto coldwave, nada menos que seis já haviam sido editadas como single, e também compartilhadas aqui no Class of Sounds.

Vince Grant (Divulgação)

A cada lançamento, um tapa diferente ao notar influências que, por mais óbvias que sejam, traz uma honestidade fora de série, e consequentemente resultando em um “piece of work” de tirar o fôlego.

Aqui você ouve Bowie, Joy Division a perder de vista e toda aquela onda que permeou as rádios dos anos 80, a começar pela gélida faixa de abertura, “Medicine”, com seus deliciosos reverbs.

“Melancholia” vem logo na sequência como um epicentro de “Atmosphere” (Joy Division), “April Skies” (The Jesus and Mary Chain) e “Heroes” (David Bowie), mas ainda enfatizando a dramaticidade vocal de Grant. Simplesmente fantástica.

Já “How Many Times” aflora o lado mais synthpop de Grant, trazendo típicas nuances eletrônicas mescladas a influências que remetem as bandas da C86.

A essa altura, o Oceano Pacífico se encontra para lá de congelante, e é onde entra “Edge Of The World”, inclusive com toda sua carga emocional. “We Share the Same Stars” volta para Manchester como uma usual, mas empolgante faixa pós-punk.

Se o tal coldwave se faz realmente presente é justamente em “Afterglow”. Na verdade é uma faixa com um encaixe tão pop que se feita na década de 80, certamente seria um hit.

Até aqui, o panorama foi em torno das faixas previamente divulgadas. Sim, o melhor – e propriamente inédito – foi deixado para o final: “Anything About You” é pós-punk até a medula, com aquele sabor pop que transcende a descrição; ou se isso é possível, só o The Cure explica. Afinal, qual o primeiro nome da antiga safra “gótica” que vem à cabeça quando o assunto gira em torno de músicas melancólicas com apelo radiofônico?

Caso tenha sobrevivido a faixa anterior, ainda tem “Sweet Addiction”. Essa encerra o registro quase do jeito que começou, mas de forma, digamos, mais espaçada. Aberta.

Pode parecer fruto da empolgação ao que dizer que o álbum de estreia do The Sea At Midnight  é um dos melhores do ano, já que isso é constantemente escrito aqui – bom, a veia aqui é explicitamente à Massariana, ou seja, de indicações sônicas –, mas neste caso é realmente um dos melhores trabalhos editados em 2020, mesmo com todo o caos que anda assolando o mundo.

Ainda:

+ Vincent Grant é o mentor da obra, mas contou com produção e mixagem de Chris King. A bateria, inteiramente programada, foi assinada por Brandon Pierce.

+ O belo trabalho de arte da capa leva assinatura de Jessica Owen.

Ouça o álbum completo no Spotify:

Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Erro no banco de dados do WordPress: [Table './classofs_wp/wp_comments' is marked as crashed and should be repaired]
SELECT SQL_CALC_FOUND_ROWS wp_comments.comment_ID FROM wp_comments WHERE ( comment_approved = '1' ) AND comment_post_ID = 10137 AND comment_parent = 0 ORDER BY wp_comments.comment_date_gmt ASC, wp_comments.comment_ID ASC

Deixe uma resposta

Fechar Menu