Rod Krieger (ex-Cachorro Grande) transcende seus limites em 1º voo solo, “A Elasticidade do Tempo”

Rod Krieger (ex-Cachorro Grande) transcende seus limites em 1º voo solo, “A Elasticidade do Tempo”

Músico gaúcho buscou inspirações no beatle mais místico para compor estreia discográfica

Por Luiz Athayde

Rock e psicodelia não é algo necessariamente novo no DNA dos músicos oriundos do Rio Grande do Sul. E se olharmos a partir do prisma do atual status quo sônico, essa vertente lisérgica da contracultura tem tomado ares diluídos, inclusive pela massiva quantidade de bandas que surgiram nos últimos anos, no Brasil e mundo afora.

Conhecido por comandar as quatro cordas do Cachorro Grande entre 1999 e 2019, agora o cantor e compositor Rod Krieger está dando sua primeira mordida solo, em formato de disco cheio.

Rod Krieger em Portugal

A Elasticidade do Tempo acabou de ocupar as prateleiras sônicas com uma certa familiaridade entre os fãs, já que praticamente metade do registro foi apresentado em singles digitais; alguns com direito a produção videoclíptica, como não poderia deixar de ser.

Residindo em Lisboa desde meados de 2019, Krieger gravou sua estreia discográfica no Canto da Coruja Estúdio, em São Paulo. A produção tem assinatura própria, em parceria com Ricardo Prado, já a bela arte foi arquitetada por Marina Abadjief com foto de Daryan Niño Dornelles.

Em uma palinha para o Class of Sounds, o gaúcho contou qual sentimento é emanado ao ladrar, no melhor dos sentidos, sem as amarras do grupo do qual dedicou dez anos de sua vida.

“Todos os sentimentos, é uma espécie de viagem trancedental, uma viagem no tempo parecida com os filmes que cresci vendo na televisão aberta. Na cachorro Grande éramos 5 compositores e toda a obra acabava virando uma coisa só, com a cara de todos. Hoje é muito estranho lançar algo e não dividir o estúdio, audição e momentos com eles Mas ao mesmo tempo me sinto leve pois acabei fazendo as coisas do meu jeito. To feliz de um jeito diferente, mas feliz.”

E é algo notável logo no primeiro single, lançado em 2018. “Louvado Seja Deus” traz, logo de cara a canja de ouro do mutante Arnaldo Baptista, mostrando que todas as vias apontam para a direção contrária do seu ex-grupo.

Mas é em “Todos Gostamos de Você” que Krieger revela seu norte; a “psicodelia” de orientação indiana, guiada pelo beatle mais místico, George Harrison, quando o mesmo integrava o Radha Krishna Temple, grupo com meteórica passagem pelo plano terrestre.

“Despertar” foi outro single que viu a luz do dia antes do álbum. Tranquilamente um dos pontos altos do álbum, não tenho dúvidas de que se essa faixa fosse criada nos anos 1990, as comparações com nomes, como Beck, Supergrass e até mesmo The Chemical Brothers se fariam presentes. Ao mesmo tempo é aí que o ouvinte nota a enorme presença de falanges sessentistas na música inglesa – e em Krieger.

Isso inclui também a maneira de cantar, uma espécie de cartilha inconsciente usada no período da lisergia, vide “Cores Flamejantes”.

“Sobre as Ondas” não ganhou single, tão pouco videoclipe, mas as suas melodias acessíveis  lembram e muito o que outrora figurava nas diais brasileiras.

Como um mantra, “Raio” é a faixa que acerta em cheio com seu dinamismo nos arranjos e, mais uma vez, belíssimas melodias que tem como mote nada além de transportar o ouvinte à sua própria viagem pessoal. Seus pouco mais de dois minutos mereciam pelo menos o dobro.

O Brasil nunca esteve de fora no trabalho de Krieger, e “Disco Voador” é a prova disso; basta ouvir os primeiros segundos para notar o aflorado lado “mutante” do músico.

O encerramento se dá em “Vai com Deus”; balada desértica envolta a um groove sem deixar nada a dever aos  “The Verve da vida”.

A Elasticidade do Tempo não chegou à classe de 2020 dizendo que inventou a roda, mas pode regozijar status de um trabalhon

Rod Krieger não chegou à classe de 2020 dizendo que inventou a roda, mas pode regozijar status de obter um trabalho extremamente coeso, inspirado, sofisticado e deveras cerebral, já que o ponto mais notável em A Elasticidade do Tempo é a potência criativa de um artista que sabe o que quer, e, principalmente, o que está fazendo.

Para quem mal cortou laços musicais (mas não afetivos) com um grupo de tanto sucesso como o Cachorro Grande,  maturidade é uma percepção meramente relativa, justamente por estarmos diante de um dos grandes álbuns nacionais do ano, e olha que 2020 sequer começou.  

Ouça A Elasticidade do Tempo no Spotify:

Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Deixe uma resposta

Fechar Menu