Robert Smith será “Curædor” de festival em Los Angeles

Robert Smith será “Curædor” de festival em Los Angeles

Segue mais informações sobre o novo álbum do The Cure em entrevista concedida ao programa “Debatable” – Robert Smith

Por Luiz Athayde

O vocalista/guitarrista e líder do The Cure Robert Smith juntamente com o tecladista Roger O’Donnell deram uma entrevista de 45 minutos para o ex-VJ da MTV Mark Goodman e o editor das revistas Spin e Vibe no programa “Debatable” da rádio Sirius XM na noite do último dia 3 de maio.

Primeiro as más notícias. Robert Smith deu sinais de que não quer ficar preso a celebração de aniversário de 30 anos de Disintegration com mais shows esse ano, e certamente, nem uma turnê. Eles explicam que, embora não queiram dizer que não farão mais shows, eles estão ansiosos para fazer coisas novas, como mostrar músicas do álbum que está para sair. Por isso decidiram por uma transmissão global ao vivo dos shows de Sydney, no caso da banda não fazer mais aqueles shows e todos terem a oportunidade de vê-los na comemoração do Disintegration.

Eu realmente não quero dedicar o resto do ano celebrando algo que aconteceu há 30 anos”, disse Smith. “Eu prefiro celebrar o que está acontecendo agora. Então essa ideia de transmissão global ao vivo do Disintegration foi realmente para me dar um pouco disso no caso de decidir não fazê-lo novamente.”

Ao invés disso, Smith sugere:

Eu tenho algumas ideias de como podemos incorporá-las em algumas das coisas que devemos fazer no fim do ano.

Então se acabarmos fazendo um show do Disintegration, nós iremos acabar tocando o Disintegration em algum momento, em algum lugar.”, Smith disse. “Mas se a gente não fizer, não importa. Apenas assistam a transmissão global.

Se aprofundando mais nos comentários do tecladista Roger O’ Donnell sobre os ensaios para os shows de Sidney, vale notar que Robert reiterou que a banda estaria apresentando algumas músicas pela primeira vez desde que as gravou em estúdio, o que pode ser uma referência ao B-side de “Lovesong”, “Fear Of Ghosts”, (e/ou os B-sides de “Lullaby” “Babble”, e “Out of Mind”), já que “2 Late” havia sido tocada na Teenage Cancer Trust  2014 e vários shows da turnê de 2016.

Robert Smith, The Cure

Quanto a situação do novo álbum, Robert diz que ele precisa adicionar alguns vocais à mixagem, preferencialmente com Reeves Gabrels. Além disso, ele indicou a ordem correta para o novo álbum.

Meu único dilema no momento é obter uma ordem de execução que funcione.”, ele diz. “Eu passei por muitas ordens diferentes de execução. E a minha predileta é totalmente desprovida de esperança, o que é bem melancólico.Eu toquei para algumas pessoal cujas opiniões eu valorzo e elas apenas olham pra mim e acham muito triste, de uma maneira muito boa. É apenas implacável. Minha ordem de execução preferida é por volta de 47 minutos de apenas tristezas e desgraças implacáveis.

Além disso, como “Lovesong”, uma faixa escrita como um presente de casamento para sua esposa Mary, foi uma composição mais feliz e deixou as canções mais tristes no Disintegration em maior relevo.

Para resolver esse problema, ele está considerando gravar com a banda uma faixa que ele escreveu mas que não iria usar.

Mas eu acho que o álbum precisa de algo fora de moda para fazer o resto das músicas funcionar melhor”, diz.

Smith então esclareceu  os comentários de O’Donnell que este poderia ser o último álbum do The Cure:

Tanto quanto eu estou preocupado, é isso”, ele diz. “Mas eu fiz todos os álbums pensando nisso, não de forma clara. Eu realmente acho que é isso . … (Mas) já gravamos dois álbums que valem a pena. Vai ser um álbum duplo ou dois álbuns, se eu conseguir as letras e tiver voz.”

Então, em seguida, Smith discutiu, para surpresa de todos que ele descobriu um verdadeiro carinho pelo “Curætion”, dizendo que ele irá anunciar um novo festival nos EUA em breve, na veia de Meltdown ou Hyde Park. Este será na costa oeste, com 10 bandas, ou em torno da área de Los Angeles.

Nós anunciaremos outro no final deste mês, o que será realmente especial, na verdade, porque estamos fazendo a curadoria”, disse Smith.Então, será na costa oeste. Serão cerca de 10 bandas, todas escolhidas a dedo. Eu só queria fazer algo parecido com (o show do aniversário de 40 anos no London’s Hyde Park, em Londres). Algo um pouco comemorativo.”

Embora ele ainda não tivesse certeza se seria um evento de um ou vários dias, ele deixou claro que “não será um show do Disintegration”, acrescentando: “Será apenas um show de comemoração com uma carga de artistas que todos em seu próprio direito merecem realizar festivais ”.

Eu mal posso esperar para anunciar isso“, acrescentou. “É uma nota tão boa.”

Infelizmente, também havia planos para o mesmo na área de Nova York, mas, infelizmente, eles foram descartados, já que a data era “um pouco tarde demais no ano” e a localização externa que eles estavam de olho não era boa.

Smith também disse que terminou o filme de concertos do Hyde Park com Tim Pope, e será lançado nos cinemas neste verão.

É um pouco de nostalgia“, ele disse, “mas é um show tão bom. Eu só queria que fosse conhecido. É uma peça de legado, realmente, e Tim fez um trabalho fantástico com isso. ”

Smith também acrescentou que há um filme de concertos de Meltdown que foi dirigido por Nick Wickham, que também está fazendo a transmissão ao vivo de Sydney, que deve ser lançado na mesma época que o filme do show do Hyde Park.

Quando perguntado se Smith consideraria escrever um livro de memórias, Smith mencionou que ele digitalizou todo o material antigo de Cure, e em algum momento, ele quer narrar uma história da banda. Mas ele não está com pressa, porque ele quer fazer o próximo álbum parte dessa história.

Se isso faz parte do próximo documentário de Tim Pope sobre The Cure ou não, não está claro. Certo mesmo é que o novo álbum do The Cure, deve ser lançado entre outubro e o Natal.

Agora, como Robert  Smith indicou na entrevista, o lançamento de Pornography, que saiu ontem em 1982, coincidiu com seu 20º aniversário, e o lançamento de Disintegration com seu 30º. Mais tarde, Bloodflowers seria lançado quando Smith completasse 40 anos.

Agora que Smith alcançou o marco de 60, essa trilogia de álbuns de “doom e melancolia” agora pode se transformar em uma quadrilogia?

Fonte: Post-Punk.Com

Faça sua doação para incentivar nossos redatores.

Erro no banco de dados do WordPress: [Table './classofs_wp/wp_comments' is marked as crashed and should be repaired]
SELECT SQL_CALC_FOUND_ROWS wp_comments.comment_ID FROM wp_comments WHERE ( comment_approved = '1' ) AND comment_post_ID = 131 AND comment_parent = 0 ORDER BY wp_comments.comment_date_gmt ASC, wp_comments.comment_ID ASC

Deixe uma resposta

Fechar Menu